Este é mais um artigo que prova que o vírus não foi isolado, já tenho outro aqui neste site, e que não sendo isolado não se podem ter feitos testes PCR válidos, não se podem calibrar testes sem o vírus(Bhakdi) e que não tendo sido isolado o primeiro vírus a ladaínha criminosa das cêpas de novos vírus que mutaram é mais do mesmo, propaganda miserável.
Os testes são um autêntico lixo que inundou a imprensa mundial com casos enquanto “eliminavam a gripe” substituindo a mesma pelo vírus fantasma, para alimentar o medo e continuar o marketing das vacinas, um negócio fabuloso, mas também um veneno que já matou mais pessoas em três meses que todas as outras vacinas em trinta anos.
Nada do que eu afirmo é refutável, está tudo aqui em baixo bem fundamentado e documentado, provas e mais provas e só quem não as quer ver e entrou em roda livre numa espécie de religião-covid.

Este artigo tem a autoria de Torsten Engelbrecht, Dr Stefano Scoglio & Konstantin Demeter, foi publicado em janeiro de 2021, inicialmente no offguardin.org, estou a salvar e traduzir de forma rudimentar no tradutor automático da web com ajustes(não sou tradutor), tentanto não alterar o seu sentido, pode ser útil para quem não tem mais que um smartphone e quer ler, vou deixar o seu original sobreposto para que qualquer erro meu de tradução que altere o sentido do texto possa ser corrigido, estou a salvar o mesmo para que chegue a mais pessoas, e porque normalmente estes artigos têm tendência a desaparecer como que por milagre quando precisamos deles, para sustentar que aqui ninguém é maluco antivax, não queremos é que se continue a instalar o comunismo do grande reset com ajuda do bigpharma /bigtech e da escumalha política de Davos, para inocular crianças/idosos com puro veneno inútil, máscaras, quarentenas e mais medidas sem qualquer respaldo científico que são um crime para a humanidade.





Even the Robert Koch Institute and other health authorities cannot present decisive proof that a new virus named SARS-CoV-2 is haunting us. This alone turns the talk of dangerous viral mutations into irresponsible fearmongering and the so-called SARS-CoV-2 PCR tests definitely into a worthless venture.

Tradução – Mesmo o Instituto Robert Koch e outras autoridades de saúde não podem apresentar provas decisivas de que um novo vírus chamado SARS-CoV-2 está nos assombrando. Isso por si só transforma a conversa de mutações virais perigosas em uma propaganda irresponsável de medo e os chamados testes de PCR SARS-CoV-2 definitivamente em uma aventura inútil.

In a request for a study which shows complete isolation and purification of the particles claimed to be SARS-CoV-2, Michael Laue from one of the world’s most important representatives of the COVID-19 “panicdemic,” the German Robert Koch Institute (RKI), answered that :

I am not aware of a paper which purified isolated SARS-CoV-2.

This is a more than remarkable statement, it is admitting a complete failure. This concession is in line with the statements we presented in our article “COVID-19 PCR Tests Are Scientifically Meaningless” which OffGuardian published on June 27th, 2020 — a piece that was the first one worldwide outlining in detail why SARS-CoV-2 PCR tests are worthless for the diagnosis of a viral infection.

Traducão – Em um pedido de um estudo que mostra o isolamento e purificação completos das partículas alegadas ser SARS-CoV-2, Michael Laue um dos representantes mais importantes do mundo da “panicdemia” COVID-19, o Instituto Alemão Robert Koch (RKI ), respondeu que :

“Não tenho conhecimento de um artigo que purificou o SARS-CoV-2 isolado.”

Esta é uma afirmação mais do que notável, é admitir um fracasso completo. Esta concessão está de acordo com as afirmações que apresentamos em nosso artigo “Os testes de PCR COVID-19 são cientificamente insignificantes”, publicado pela OffGuardian em 27 de junho de 2020 – uma peça que foi a primeira em todo o mundo descrevendo em detalhes por que o PCR do SARS-CoV-2 os testes são inúteis para o diagnóstico de uma infecção viral.

One of the crucial points in this analysis was that the studies contending to have shown that SARS-CoV-2 is a new and potentially deadly virus have no right to claim this, particularly because the studies claiming “isolation” of so-called SARS-CoV-2 in fact failed to isolate (purify) the particles said to be the new virus.

This is confirmed by the answers of the respective studies’ scientists to our inquiry, which are shown in a table in our piece — among them the world’s most important paper when it comes to the claim of having detected SARS-CoV-2 (by Zhu et al.), published in the New England Journal of Medicine on February 20, 2020, and now even the RKI.

Incidentally, we are in possession of a further confirmatory answer from authors of an Australian study.
Tradução – Um dos pontos cruciais nesta análise foi que os estudos que afirmam ter mostrado que o SARS-CoV-2 é um vírus novo e potencialmente mortal não têm o direito de reivindicar isso, especialmente porque os estudos que alegam “isolamento” do chamado SARS- O CoV-2, de facto, falhou em isolar (purificar) as partículas ditas ser o novo vírus.

Tradução – Isso é confirmado pelas respostas dos respectivos cientistas dos estudos à nossa indagação, que são mostradas em uma tabela em nosso artigo – entre eles o artigo mais importante do mundo quando se trata da alegação de ter detectado o SARS-CoV-2 (por Zhu et al.), publicado no New England Journal of Medicine em 20 de fevereiro de 2020, e agora até no RKI.

A propósito, estamos de posse de mais uma resposta confirmatória dos autores de um estudo australiano.

WANTED, IN VAIN: SARS-COV-2 VIRUS

Additionally, Christine Massey, a Canadian former biostatistician in the field of cancer research, and a colleague of hers in New Zealand, Michael Speth, as well as several individuals around the world (most of whom prefer to remain anonymous) have submitted Freedom of Information requests to dozens of health and science institutions and a handful of political offices around the world.

They are seeking any records that describe the isolation of a SARS-COV-2 virus from any unadulterated sample taken from a diseased patient.

But all 46 responding institutions/offices utterly failed to provide or cite any record describing “SARS-COV-2” isolation; and Germany’s Ministry of Health ignored their FOI request altogether.

The German entrepreneur Samuel Eckert asked health authorities from various cities such as München (Munich), Dusseldorf and Zurich for a study proving complete isolation and purification of so-called SARS-CoV-2. He has not obtained it yet.
Tradução – PROCURADO, EM VÃO: VÍRUS SARS-COV-2
Além disso, Christine Massey, uma ex-bioestatística canadense no campo da pesquisa do câncer, e um colega dela na Nova Zelândia, Michael Speth, bem como várias pessoas ao redor do mundo (a maioria dos quais prefere permanecer anónima) enviaram o documento Freedom of Information pedidos a dezenas de instituições de saúde e ciências e um punhado de cargos políticos em todo o mundo.

Tradução – Eles estão buscando qualquer registro que descreva o isolamento de um vírus SARS-COV-2 de qualquer amostra não adulterada retirada de um paciente doente.

Mas todas as 46 instituições / escritórios que responderam não forneceram ou citaram qualquer registro descrevendo o isolamento “SARS-COV-2”; e o Ministério da Saúde da Alemanha ignorou totalmente o pedido de FOI.

O empresário alemão Samuel Eckert pediu às autoridades de saúde de várias cidades como München (Munique), Dusseldorf e Zurique um estudo que comprove o isolamento completo e a purificação do chamado SARS-CoV-2. Ele ainda não o obteve.


REWARDS FOR PROOF OF ISOLATION AND CAUSALITY

Samuel Eckert even offered €230,000 to Christian Drosten if he can present any text passages from publications that scientifically prove the process of isolation of SARS-CoV-2 and its genetic substance. The deadline (December 31, 2020) has passed without Drosten responding to Eckert.

And another deadline passed on December 31 without submission of the desired documentation. In this case the German journalist Hans Tolzin offered a reward of €100,000 for a scientific publication outlining a successful infection attempt with the specific SARS-CoV-2 reliably resulting in respiratory illness in the test subjects.

Tradução – RECOMPENSAS POR PROVA DE ISOLAMENTO E CAUSALIDADE
Samuel Eckert até ofereceu € 230.000 a Christian Drosten se ele pudesse apresentar quaisquer passagens de texto de publicações que provem cientificamente o processo de isolamento do SARS-CoV-2 e sua substância genética. O prazo (31 de dezembro de 2020) passou sem que Drosten respondesse a Eckert.

E outro prazo venceu em 31 de dezembro sem apresentação da documentação desejada. Neste caso, o jornalista alemão Hans Tolzin ofereceu uma recompensa de € 100.000 por uma publicação científica descrevendo uma tentativa bem-sucedida de infecção com o SARS-CoV-2 específico, resultando de forma confiável em doença respiratória nas cobaias.

PARTICLE SIZE VARIATION ALSO REDUCES VIRUS HYPOTHESIS TO ABSURDITY

Recently we are being scared by alleged new strains of “SARS-CoV-2”, but that claim is not based on solid science.

First of all, you cannot determine a variant of a virus if you haven’t completely isolated the original one.

Secondly, there are already tens of thousands of supposed new strains, “found” since last winter all over the world. In fact, the GISAID virus data bank has now more than 452,000 different genetic sequences that claim to represent a variant of SARS-Cov2.

So, to claim that now suddenly there are “new strains” is hogwash even from an orthodox perspective, because from that perspective viruses mutate constantly. Thus, they can constantly proclaim to have found new strains, perpetuating the fear.

Such fearmongering is all the more absurd when one casts a glance at the electron micrographs printed in the relevant studies, which show particles that are supposed to represent SARS-CoV-2. These images reveal that these particles vary extremely in size. In fact, the bandwidth ranges from 60 to 140 nanometers (nm). A virus that has such extreme size variation cannot actually exist.

For example, it can be said of human beings that they vary from about 1.50 meters to 2.10 meters, as there are several individuals of different heights. Now, saying that viruses as a whole range from 60 to 140 nm — as did Zhu et al.— may eventually make sense; but to say that the individual SARS-Cov2 virions vary so much would be like saying that John varies his height from 1.60 to 2 meters depending on the circumstances!

One could reply that viruses are not human individuals, but it is also true that, according to virology, each virus has a fairly stable structure. So, with SARS-Cov2 they are taking liberties of definition which further confirm that everything on this specific virus is even more random than usual. And that license of unlimited definition led to the fact that the Wikipedia entry on coronavirus was changed, and now reports that “Each SARS-CoV-2 virion has a diameter of about 50 to 200 nm”.

That would be like saying that John varies his height from 1 to 4 meters according to circumstances!

What is passed off as SARS-Cov2 are actually particles of all kinds, as can also be seen from the images provided by the mentioned paper by Zhu et al. Below is the photo that Zhu et al. present as the photo of SARS-Cov2:

Tradução – A VARIAÇÃO DO TAMANHO DAS PARTÍCULAS TAMBÉM REDUZ A HIPÓTESE DE VÍRUS À ABSURDADE
Recentemente, estamos sendo assustados por supostas novas cepas de “SARS-CoV-2”, mas essa afirmação não é baseada em ciência sólida.

Em primeiro lugar, você não pode determinar uma variante de um vírus se não isolou completamente o original.

Em segundo lugar, já existem dezenas de milhares de supostas novas cepas, “encontradas” desde o inverno passado em todo o mundo. Na verdade, o banco de dados do vírus GISAID tem agora mais de 452.000 sequências genéticas diferentes que afirmam representar uma variante do SARS-Cov2.

Portanto, afirmar que agora de repente há “novas cepas” é besteira mesmo de uma perspectiva ortodoxa, porque a partir dessa perspectiva os vírus sofrem mutações constantes. Assim, eles podem proclamar constantemente que encontraram novas linhagens, perpetuando o medo.

Essa propagação do medo é ainda mais absurda quando se olha para as micrografias eletrônicas impressas nos estudos relevantes, que mostram partículas que supostamente representam o SARS-CoV-2. Essas imagens revelam que essas partículas variam extremamente em tamanho. Na verdade, a largura de banda varia de 60 a 140 nanômetros (nm). Um vírus com uma variação de tamanho tão extrema não pode realmente existir.

Por exemplo, pode-se dizer que os seres humanos variam de cerca de 1,50 metros a 2,10 metros, pois existem vários indivíduos de diferentes alturas. Agora, dizer que os vírus como um todo variam de 60 a 140 nm – como fizeram Zhu et al. – pode eventualmente fazer sentido; mas dizer que os vírions SARS-Cov2 individuais variam tanto seria como dizer que John varia sua altura de 1,60 a 2 metros dependendo das circunstâncias!

Pode-se responder que os vírus não são indivíduos humanos, mas também é verdade que, de acordo com a virologia, cada vírus tem uma estrutura bastante estável. Assim, com o SARS-Cov2, eles estão tomando a liberdade de definição que confirma ainda mais que tudo neste vírus específico é ainda mais aleatório do que o normal. E essa licença de definição ilimitada levou ao fato de que a entrada da Wikipedia sobre coronavírus foi alterada, e agora relata que “Cada vírion SARS-CoV-2 tem um diâmetro de cerca de 50 a 200 nm”.

Isso seria como dizer que João varia sua altura de 1 a 4 metros de acordo com as circunstâncias!

O que se passa como SARS-Cov2 são, na verdade, partículas de todos os tipos, como também pode ser visto nas imagens fornecidas pelo citado artigo de Zhu et al. Abaixo está a foto que Zhu et al. presente como a foto de SARS-Cov2:


Through a screen size meter (FreeRuler), the particles that the authors assign to SARS-CoV-2 can be measured. The enlarged particles of the left side photograph measure about 100 nm each (on a 100 nm scale). But in the image on the right side, all the small particles indicated with arrows as SARS-CoV-2, measured on a scale of 1 MicroM (1,000 nm), have totally different sizes.

The black arrows actually indicate vesicles. Measuring some of these particles with the ruler, the result is that in the central vesicle the highest particle at the center measures almost 52nm, thus below the range proposed by Zhu et al (60 to 140 nm); the particle immediately to its right measures a little more, about 57.5nm, but still below limit; while, almost at the center of the lowest vesicle, the largest particle (yellow arrow) measures approximately 73.7nm, falling within the broad margins of Zhu et al.; finally, in the lower-left vesicle, the largest particle measures a good 155.6nm, i.e. well above the maximum limit defined by Zhu et al. (140nm).

It is likely that the correction made lately on Wikipedia was aimed precisely at covering this problem.

There are other strong indications that the particles referred to as SARS-CoV-2 may actually be those harmless or even useful particles, called “extracellular vesicles” (EVs), which have extremely variable dimensions (from 20 to 10,000nm), but which for the most part range from 20nm to 200nm, and which include, as a sub-category, that of “exosomes.”

Exosomes are particles produced by our cells and contain nucleic acids, lipids and proteins, and are involved in various activities useful to our body, such as the transport of immune molecules and stem cells, as well as the elimination of the cell’s catabolic debris.

Exosomes account for perhaps the largest share of EVs, and have been the object of numerous studies for over 50 years. Although few have heard of these beneficial particles, the scientific literature on them is huge, and only on PubMed, if one types “exosome,” over 14,000 studies are provided! We cannot go into detail about EVs and exosomes here, but it is important to point out how they are indistinguishable from viruses, and several scientists think that in reality what is defined as a dangerous virus is nothing but a beneficial exosome.

This is immediately visible under the electron microscope :

As can be seen, the largest of the exosomes is of the same size and structure of the alleged SARS-CoV-2, and it is therefore plausible to believe that, in the large sea of particles contained in the supernatant of the COVID-19 patient’s broncho-alveolar fluid, what is taken to be SARS-CoV-2 is but an exosome.

Tradução – Através de um medidor de tamanho de tela (FreeRuler), as partículas que os autores atribuem ao SARS-CoV-2 podem ser medidas. As partículas ampliadas da fotografia do lado esquerdo medem cerca de 100 nm cada (em uma escala de 100 nm). Mas, na imagem do lado direito, todas as pequenas partículas indicadas com setas como SARS-CoV-2, medidas na escala de 1 MicroM (1.000 nm), têm tamanhos totalmente diferentes.

As setas pretas realmente indicam vesículas. Medindo algumas dessas partículas com a régua, o resultado é que na vesícula central a partícula mais alta no centro mede quase 52 nm, portanto abaixo da faixa proposta por Zhu et al (60 a 140 nm); a partícula imediatamente à sua direita mede um pouco mais, cerca de 57,5 ​​nm, mas ainda abaixo do limite; enquanto, quase no centro da vesícula mais baixa, a maior partícula (seta amarela) mede aproximadamente 73,7 nm, caindo dentro das margens largas de Zhu et al .; finalmente, na vesícula inferior esquerda, a maior partícula mede bons 155,6 nm, ou seja, bem acima do limite máximo definido por Zhu et al. (140 nm).

É provável que a correção feita recentemente na Wikipedia visasse justamente cobrir esse problema.

Existem outras fortes indicações de que as partículas referidas como SARS-CoV-2 podem na verdade ser aquelas partículas inofensivas ou mesmo úteis, chamadas “vesículas extracelulares” (EVs), que têm dimensões extremamente variáveis ​​(de 20 a 10.000nm), mas que na maior parte variam de 20 nm a 200 nm, e que incluem, como uma subcategoria, a de “exossomos”.

Os exossomos são partículas produzidas por nossas células e contêm ácidos nucléicos, lipídios e proteínas, e estão envolvidos em várias atividades úteis ao nosso corpo, como o transporte de moléculas imunes e células-tronco, bem como a eliminação de resíduos catabólicos da célula.

Os exossomos representam talvez a maior parte dos VEs e têm sido objeto de numerosos estudos por mais de 50 anos. Embora poucos tenham ouvido falar dessas partículas benéficas, a literatura científica sobre elas é enorme, e apenas no PubMed, se alguém digitar “exossomo”, mais de 14.000 estudos são fornecidos! Não podemos entrar em detalhes sobre EVs e exossomos aqui, mas é importante apontar como eles são indistinguíveis dos vírus, e vários cientistas pensam que na realidade o que é definido como um vírus perigoso nada mais é do que um exossomo benéfico.

WHY PURIFICATION IS VITAL TO PROVING SARS-COV-2 EXISTS

So, logically, if we have a culture with countless extremely similar particles, particle purification must be the very first step in order to be able to truly define the particles that are believed to be viruses as viruses (in addition to particle purification, of course, it must then also be determined flawlessly, for example, that the particles can cause certain diseases under real and not just laboratory conditions).

Therefore, if no particle “purification” has been done anywhere, how can one claim that the RNA obtained is a viral genome? And how can such RNA then be widely used to diagnose infection with a new virus, be it by PCR testing or otherwise? We have asked these two questions to numerous representatives of the official corona narrative worldwide, but nobody could answer them.

Hence, as we have stated in our previous article, the fact that the RNA gene sequences – that scientists extracted from tissue samples prepared in their in vitro studies and to which the so-called SARS-CoV-2 RT-PCR tests were finally “calibrated” – belong to a new pathogenic virus called SARS-CoV-2 is therefore based on faith alone, not on facts.

Consequently, it cannot be concluded that the RNA gene sequences “pulled” from the tissue samples prepared in these studies, to which the PCR tests are “calibrated,” belong to a specific virus, in this case SARS-CoV-2.

Instead, in all the studies claiming to have isolated and even tested the virus something very different was done: the researchers took samples from the throat or lungs of patients, ultracentrifuged them (hurled at high speed) to separate the larger/heavy from the smaller/lighter molecules, and then took the supernatant, the upper part of the centrifuged material.

This is what they call “isolate,” to which they then apply the PCR. But this supernatant contains all kinds of molecules, billions of different micro- and nanoparticles, including aforementioned extracellular vesicles (EVs) and exosomes, which are produced by our own body and are often simply indistinguishable from viruses:

Nowadays, it is an almost impossible mission to separate EVs and viruses by means of canonical vesicle isolation methods, such as differential ultracentrifugation, because they are frequently co-pelleted due to their similar dimension

Tradução – POR QUE A PURIFICAÇÃO É VITAL PARA PROVAR EXISTÊNCIA DE SARS-COV-2
Então, logicamente, se temos uma cultura com inúmeras partículas extremamente semelhantes, a purificação de partículas deve ser o primeiro passo para ser capaz de realmente definir as partículas que se acredita serem vírus como vírus (além da purificação de partículas, é claro , então também deve ser determinado perfeitamente, por exemplo, que as partículas podem causar certas doenças em condições reais e não apenas de laboratório).

Portanto, se nenhuma “purificação” de partículas foi feita em qualquer lugar, como alguém pode alegar que o RNA obtido é um genoma viral? E como esse RNA pode ser amplamente usado para diagnosticar a infecção com um novo vírus, seja por teste de PCR ou de outra forma? Fizemos essas duas perguntas a vários representantes da narrativa oficial da coroa em todo o mundo, mas ninguém soube respondê-las.

Daí, como afirmamos em nosso artigo anterior, o fato de que as sequências de genes de RNA – que os cientistas extraíram de amostras de tecidos preparadas em seus estudos in vitro e para as quais os chamados testes SARS-CoV-2 RT-PCR foram finalmente “ calibrado ”- pertencer a um novo vírus patogênico chamado SARS-CoV-2 é, portanto, baseado apenas na fé, não em factos.

Consequentemente, não se pode concluir que as sequências gênicas de RNA “puxadas” das amostras de tecido preparadas nesses estudos, para as quais os testes de PCR são “calibrados”, pertençam a um vírus específico, no caso o SARS-CoV-2.

Em vez disso, em todos os estudos que afirmam ter isolado e até testado o vírus, algo muito diferente foi feito: os pesquisadores coletaram amostras da garganta ou dos pulmões dos pacientes, ultracentrifugaram (lançadas em alta velocidade) para separar os maiores / pesados ​​dos menores / moléculas mais leves, e depois tirou o sobrenadante, a parte superior do material centrifugado.

Isso é o que eles chamam de “isolar”, ao qual eles então aplicam o PCR. Mas esse sobrenadante contém todos os tipos de moléculas, bilhões de diferentes micro e nanopartículas, incluindo vesículas extracelulares (EVs) e exossomos mencionados, que são produzidos por nosso próprio corpo e muitas vezes são simplesmente indistinguíveis de vírus:

“Hoje em dia, é uma missão quase impossível separar EVs e vírus por meio de métodos de isolamento de vesículas canônicas, como ultracentrifugação diferencial, porque são frequentemente co-peletizados devido à sua dimensão semelhante.”

…as it says in the study The Role of Extracellular Vesicles as Allies of HIV, HCV and SARS Viruses published in May 2020 in the journal Viruses.

So, scientists “create” the virus by PCR: You take primers, ie. previously existing genetic sequences available in genetic banks, you modify them based on purely hypothetical reasoning, and put them in touch with the supernatant broth, until they attach (anneal) to some RNA in the broth; then, through the Reverse Transcriptase enzyme, you transform the thus “fished” RNA into an artificial or complementary DNA (cDNA), which can then, and only then, be processed by PCR and multiplied through a certain number of PCR cycles.

(Each cycle doubles the quantity of DNA, but the higher the number of cycles necessary to produce detectable “virus” material, the lower the reliability of the PCR — meaning its ability to actually “get” anything at all meaningful from the supernatant. Above 25 cycles the result tends to be meaningless, and all current circulating PCR tests or protocols always use way more than 25 cycles, in fact usually 35 to 45.)

To make matters worse, the primers are constituted of 18 to 24 bases (nucleotides) each; the SARS-Cov2 virus is supposedly composed of 30,000 bases; so the primer represents only the 0.08 percent of the virus genome. This makes it even less possible to select the specific virus you are looking for on such a minute ground, and moreover in a sea of billions of very similar particles.

But there is more. As the virus you are looking for is new, there are clearly no ready genetic primers to match the specific fraction of the new virus; so you take primers that you believe may be closer to the hypothesised virus structure, but it’s a guess, and when you apply the primers to the supernatant broth, your primers can attach to any one of the billions of molecules present in it, and you have no idea that what you have thus generated is the virus you are looking for. It is, in fact, a new creation made by researchers, who then call it SARS-CoV-2, but there is no connection whatsoever with the presumed “real” virus responsible for the disease.

… Como diz no estudo O papel das vesículas extracelulares como aliadas dos vírus HIV, HCV e SARS, publicado em maio de 2020 na revista Viruses.

Assim, os cientistas “criam” o vírus por PCR: você pega os primers, ou seja. sequências genéticas previamente existentes disponíveis em bancos genéticos, você as modifica com base em um raciocínio puramente hipotético e as coloca em contato com o caldo sobrenadante, até que se liguem (anneal) a algum RNA do caldo; então, por meio da enzima Transcriptase Reversa, você transforma o RNA assim “pescado” em um DNA artificial ou complementar (cDNA), que pode então, e somente então, ser processado por PCR e multiplicado por um certo número de ciclos de PCR.

(Cada ciclo dobra a quantidade de DNA, mas quanto maior o número de ciclos necessários para produzir material de “vírus” detectável, menor a confiabilidade do PCR – o que significa sua capacidade de realmente “obter” qualquer coisa significativa do sobrenadante. Acima 25 ciclos, o resultado tende a ser insignificante, e todos os actuais testes ou protocolos de PCR circulantes sempre usam mais de 25 ciclos, na verdade, geralmente 35 a 45.)

Para piorar as coisas, os primers são constituídos de 18 a 24 bases (nucleotídeos) cada; o vírus SARS-Cov2 é supostamente composto de 30.000 bases; portanto, o primer representa apenas 0,08% do genoma do vírus. Isso torna ainda menos possível selecionar o vírus específico que você está procurando em um terreno tão minúsculo e, além disso, em um mar de bilhões de partículas muito semelhantes.

Mas tem mais. Como o vírus que você está procurando é novo, claramente não há primers genéticos prontos para corresponder à fração específica do novo vírus; então você pega primers que você acredita estar mais próximos da estrutura do vírus hipotetizado, mas é uma suposição, e quando você aplica os primers ao caldo sobrenadante, seus primers podem se anexar a qualquer um dos bilhões de moléculas presentes nele, e você não tenha ideia de que o que você gerou é o vírus que está procurando. Trata-se, na verdade, de uma nova criação dos pesquisadores, que então o chamam de SARS-CoV-2, mas não tem qualquer ligação com o suposto vírus “real” responsável pela doença.

THE “VIRUS GENOME” NOTHING BUT A COMPUTER MODEL

The complete genome of the SARS-CoV-2 virus has never been sequenced and was instead was “pieced together” on the computer. The Californian physician Thomas Cowan called this a “scientific fraud.” And he is not the only one by far!

Cowan wrote on October 15, 2020 [our emphasis]:

This week, my colleague and friend Sally Fallon Morell brought to my attention an amazing article put out by the CDC, published in June 2020. The purpose of the article was for a group of about 20 virologists to describe the state of the science of the isolation, purification and biological characteristics of the new SARS-CoV-2 virus, and to share this information with other scientists for their own research.

A thorough and careful reading of this important paper reveals some shocking findings.

The article section with the subheading “Whole Genome Sequencing” showed that “rather than having isolated the virus and sequencing the genome from end to end”, that the CDC “designed 37 pairs of nested PCRs spanning the genome on the basis of the coronavirus reference sequence (GenBank accession no. NC045512).

So, one may ask, how then did they sequence the virus, ie. analyse it genetically?

Well, they did not analyse the whole genome, but instead took some sequences found in the cultures, claimed without proof that they belonged to a new specific virus, and then made some sort of a genetic computer puzzle to fill up the rest. “They use the computer modelling to essentially just create a genome from scratch, as the molecular biologist Andrew Kaufman says.

Maybe then it’s no surprise that one of the primers of the test developed by the Pasteur Institute corresponds exactly to a sequence of chromosome 8 of the human genome.

Tradução – O “GENOMA DO VÍRUS” NADA A NÃO SER UM MODELO DE COMPUTADOR
O genoma completo do vírus SARS-CoV-2 nunca foi sequenciado e, em vez disso, foi “montado” no computador. O médico californiano Thomas Cowan chamou isso de “fraude científica”. E ele não é o único de longe!

Cowan escreveu em 15 de outubro de 2020:

Esta semana, minha colega e amiga Sally Fallon Morell chamou minha atenção para um artigo incrível publicado pelo CDC, publicado em junho de 2020. O objetivo do artigo era que um grupo de cerca de 20 virologistas descrevessem o estado da ciência da isolamento, purificação e características biológicas do novo vírus SARS-CoV-2 e compartilhar essas informações com outros cientistas para suas próprias pesquisas.

Uma leitura completa e cuidadosa deste importante artigo revela algumas descobertas chocantes.

A seção do artigo com o subtítulo “Sequenciamento do genoma completo” mostrou que “em vez de isolar o vírus e sequenciar o genoma de ponta a ponta”, o CDC “projetou 37 pares de PCRs aninhados abrangendo o genoma com base na referência do coronavírus sequência (número de acesso GenBank NC045512).

Então, pode-se perguntar, como então eles sequenciaram o vírus, ou seja. analisar geneticamente?

Bem, eles não analisaram todo o genoma, mas pegaram algumas sequências encontradas nas culturas, alegaram sem provas que pertenciam a um novo vírus específico e então fizeram algum tipo de quebra-cabeça genético de computador para preencher o resto. “Eles usam a modelagem de computador para basicamente apenas criar um genoma do zero”, diz o biólogo molecular Andrew Kaufman.

Talvez então não seja surpresa que um dos primers do teste desenvolvido pelo Instituto Pasteur corresponda exatamente a uma sequência do cromossomo 8 do genoma humano.

NO PROOF THAT SARS-COV-2 CAN FLY

Supposedly to stop the spread of the alleged new virus, we are being forced to practice various forms of social distancing and to wear masks. Behind this approach is the idea that viruses and in particular SARS-CoV-2, believed to be responsible for the respiratory disease Covid-19, is transmitted by air or, as has been said more often, through the nebulized droplets in the air from those who cough or sneeze or, according to some, just speak.

But the truth is that all these theories on the transmission of the virus are only hypotheses that have never been proven.

Evidence for this was missing from the beginning. As reported by Nature in an article from April 2020, experts do not agree that SARS-CoV-2 is airborne, and according to the WHO itself “the evidence is not convincing.”

Even from an orthodox point of view, the only studies in which the transmission of a coronavirus (not SARS-Cov2) by air has been preliminarily “proven” have been carried out in hospitals and nursing homes, in places that are said to produce all types of infections due to hygienic conditions.

But no study has ever proven that there is transmission of viruses in open environments, or in closed but well-ventilated ones. Even assuming that there is this transmission by air, it has been stressed that, for the “contagion” to occur, it is necessary that the people between whom the alleged transmission occurs are in close contact for at least 45 minutes.

In short, all the radical distancing measures have no scientific ground.

NENHUMA PROVA DE QUE SARS-COV-2 PODE VOAR
Supostamente para impedir a propagação do suposto novo vírus, estamos sendo forçados a praticar várias formas de distanciamento social e a usar máscaras. Por trás dessa abordagem está a ideia de que os vírus e em particular o SARS-CoV-2, que se acredita ser o responsável pela doença respiratória Covid-19, são transmitidos pelo ar ou, como já foi dito com mais frequência, por meio de gotículas nebulizadas no ar de os que tossem ou espirram ou, segundo alguns, apenas falam.

Mas a verdade é que todas essas teorias sobre a transmissão do vírus são apenas hipóteses que nunca foram comprovadas.

Evidências para isso estavam faltando desde o início. Conforme relatado pela Nature em um artigo de abril de 2020, os especialistas não concordam que o SARS-CoV-2 esteja no ar e, de acordo com a própria OMS, “as evidências não são convincentes”.

Mesmo de um ponto de vista ortodoxo, os únicos estudos em que a transmissão de um coronavírus (não o SARS-Cov2) por via aérea foi preliminarmente “comprovada” foram realizados em hospitais e lares de idosos, em locais que supostamente produzem todos tipos de infecções devido às condições de higiene.

Mas nenhum estudo comprovou que há transmissão de vírus em ambientes abertos ou fechados, mas bem ventilados. Mesmo supondo que haja essa transmissão por via aérea, foi ressaltado que, para que ocorra o “contágio”, é necessário que as pessoas entre as quais ocorre a suposta transmissão estejam em contato próximo por pelo menos 45 minutos.

Em suma, todas as medidas de distanciamento radical não têm nada de científico.

NO ASYMPTOMATIC “INFECTION”

Since particle purification is the indispensable prerequisite for further steps, i.e. proof of causality and “calibration” of the tests, we have a diagnostically insignificant test and therefore the mantra “test, test, test” by the WHO’s Tedros Adhanom Ghebreyesus, mentioned in our article from June 27, has to be called unscientific and misleading.

This holds especially true for testing people without symptoms. In this context even a Chinese study from Wuhan published in Nature on November 20, 2020, in which nearly 10 million people were tested and all asymptomatic positive cases, re-positive cases and their close contacts were isolated for at least 2 weeks until the PCR test resulted negative, found that:

All close contacts of the asymptomatic positive cases tested negative, indicating that the asymptomatic positive cases detected in this study were unlikely to be infectious.

Even the orthodox British Medical Journal recently joined in the criticism.

Shortly before Christmas, the science magazine published the article “COVID-19: Mass testing is inaccurate and gives false sense of security, minister admits” explaining how the testing being deployed in parts of the UK is simply not at all accurate for asymptomatic people and arguing that it cannot accurately determine if one is positive or negative, as Collective Evolution wrote. (The WHO themselves have since admitted as muchTwice. – ed.)

Already a few weeks before, you could read in The BMJ that:

Mass testing for COVID-19 is an unevaluated, underdesigned, and costly mess.

Tradução – SEM “INFECÇÃO” ASSIMTOMÁTICA
Como a purificação de partículas é o pré-requisito indispensável para as etapas seguintes, ou seja, prova de causalidade e “calibração” dos testes, temos um teste insignificante de diagnóstico e, portanto, o mantra “teste, teste, teste” do Tedros Adhanom Ghebreyesus da OMS, mencionado em nosso artigo de 27 de junho, deve ser chamado de não científico e enganoso.

Isso é especialmente verdadeiro para testar pessoas sem sintomas. Nesse contexto, até um estudo chinês de Wuhan publicado na Nature em 20 de novembro de 2020, no qual cerca de 10 milhões de pessoas foram testadas e todos os casos positivos assintomáticos, casos re-positivos e seus contatos próximos foram isolados por pelo menos 2 semanas até a PCR teste resultou negativo, descobriu que:

Todos os contatos próximos dos casos positivos assintomáticos tiveram resultados negativos, indicando que os casos positivos assintomáticos detectados neste estudo provavelmente não eram infecciosos.

Até o ortodoxo British Medical Journal recentemente aderiu às críticas.

Pouco antes do Natal, a revista científica publicou o artigo “COVID-19: O teste em massa é impreciso e dá uma falsa sensação de segurança, o ministro admite” explicando como o teste que está sendo implantado em partes do Reino Unido simplesmente não é preciso para pessoas assintomáticas e argumentando que não pode determinar com precisão se um é positivo ou negativo, como escreveu a Evolução Coletiva. (A própria OMS já admitiu isso. Duas vezes. – ed.)

Algumas semanas antes, você poderia ler no The BMJ que:

O teste em massa para COVID-19 é uma bagunça não avaliada, mal projetada e cara.

And:

Screening the healthy population for COVID-19 is of unknown value, but is being introduced nationwide

And that [our emphasis]:

“the UK’s pandemic response relies too heavily on scientists and other government appointees with worrying competing interests, including shareholdings in companies that manufacture covid-19 diagnostic tests, treatments, and vaccines,

Apart from that, the lawyer Reiner Füllmich, member of the German Extra-Parliamentary Inquiry Committee “Stiftung Corona Ausschuss”, said that Stefan Hockertz, professor of pharmacology and toxicology, told him that thus far no scientific evidence has been found for asymptomatic infection.

When asked, the Robert Koch Institute was unable to send us a single study demonstrating that (a) “positive” asymptomatic persons made someone else sick (not just “positive”), that (b) “positive” persons with symptoms of illness made someone else sick (not just “positive”), and that (c) any person at all who tested “positive” for SARS-CoV-2 made another person “positive.”

Tradução – E:

A triagem da população saudável para COVID-19 é de valor desconhecido, mas está sendo introduzida em todo o país

E isso:

“A resposta à pandemia do Reino Unido depende muito de cientistas e outros nomeados pelo governo com interesses conflitantes preocupantes, incluindo participações em empresas que fabricam testes de diagnóstico covid-19, tratamentos e vacinas.”

Além disso, o advogado Reiner Füllmich, membro da Comissão de Inquérito Extra-Parlamentar Alemã “Stiftung Corona Ausschuss”, disse que Stefan Hockertz, professor de farmacologia e toxicologia, lhe disse que até o momento nenhuma evidência científica foi encontrada para infecção assintomática.

Quando questionado, o Instituto Robert Koch não foi capaz de nos enviar um único estudo demonstrando que (a) pessoas assintomáticas “positivas” deixaram outra pessoa doente (não apenas “positivas”), que (b) pessoas “positivas” com sintomas de doença causaram outra pessoa doente (não apenas “positiva”), e que (c) qualquer pessoa com teste “positivo” para SARS-CoV-2 tornava outra pessoa “positiva”.

“IF YOU WOULD NOT TEST ANYMORE, CORONA WOULD DISAPPEAR”

Even back in May, a major publication such as the Journal of the American Medical Association stated that a “positive” PCR result does not necessarily indicate presence of viable virus,” while a recent study in The Lancet says that “RNA detection cannot be used to infer infectiousness.“

Against this background, one can only agree with Franz Knieps, head of the association of company health insurance funds in Germany and for many years in close contact with German Chancellor Angela Merkel, who stated in mid-January that “if you would not test anymore, Corona would disappear.”

Interestingly, even the hyper-orthodox German Virus-Czar and main government adviser on lockdowns and other measures, Christian Drosten, has contradicted himself on the reliability of PCR testing. In a 2014 interview regarding PCR testing for so-called MERS-CoV in Saudi Arabia he said:

The [PCR] method is so sensitive that it can detect a single hereditary molecule of the virus. For example, if such a pathogen just happens to flutter across a nurse’s nasal membrane for a day without her getting sick or noticing anything, then she is suddenly a case of MERS. Where fatalities were previously reported, now mild cases and people who are actually in perfect health are suddenly included in the reporting statistics. This could also explain the explosion in the number of cases in Saudi Arabia. What’s more, the local media boiled the matter up to unbelievable levels.”

Sound vaguely familiar?

And even Olfert Landt is critical about PCR test results, saying that only about half of those “infected with corona” are contagious. This is more than remarkable because Landt is not only one of Drosten’s co-authors in the Corman et al. paper — the first PCR Test protocol to be accepted by the WHO, published on January 23, 2020, in Eurosurveillance — but also the CEO of TIB Molbiol, the company that produces the tests according to that protocol.

Unfortunately, this conflict of interest is not mentioned in the Corman/Drosten et al. paper, as 22 scientists — among them one of the authors of this article, Stefano Scoglio — criticized in a recent in-depth analysis.

Altogether, Scoglio and his colleagues found “severe conflicts of interest for at least four authors,” including Christian Drosten, as well as various fundamental scientific flaws. This is why they concluded that “the editorial board of Eurosurveillance has no other choice but to retract the publication.”

Tradução – “SE VOCÊ NÃO TESTAR MAIS, CORONA DESAPARECERÁ”
Mesmo em maio, uma publicação importante como o Journal of the American Medical Association afirmou que um resultado de PCR “positivo” não indica necessariamente a presença de vírus viável ”, enquanto um estudo recente no The Lancet diz que“ a detecção de RNA não pode ser usada para inferir infecciosidade. “

Neste contexto, só podemos concordar com Franz Knieps, chefe da associação de fundos de seguros de saúde empresariais na Alemanha e há muitos anos em contacto próximo com a chanceler alemã Angela Merkel, que afirmou em meados de janeiro que “se você não quisesse mais , Corona desapareceria. ”

Curiosamente, até o hiperortodoxo Czar alemão do vírus e principal conselheiro do governo sobre bloqueios e outras medidas, Christian Drosten, se contradisse sobre a confiabilidade dos testes de PCR. Em uma entrevista de 2014 sobre o teste de PCR para o chamado MERS-CoV na Arábia Saudita, ele disse:

O método [PCR] é tão sensível que pode detectar uma única molécula hereditária do vírus. Por exemplo, se tal patógeno simplesmente passar pela membrana nasal de uma enfermeira por um dia sem que ela adoeça ou perceba nada, então ela de repente é um caso de MERS. Onde fatalidades foram relatadas anteriormente, agora casos leves e pessoas que estão realmente em perfeita saúde são repentinamente incluídos nas estatísticas de relatórios. Isso também pode explicar a explosão do número de casos na Arábia Saudita. Além do mais, a mídia local levou o assunto a níveis inacreditáveis. ”

Parece vagamente familiar?

E até mesmo Olfert Landt é crítico sobre os resultados do teste de PCR, dizendo que apenas cerca de metade das pessoas “infectadas com corona” são contagiosas. Isso é mais do que notável porque Landt não é apenas um dos co-autores de Drosten no Corman et al. paper – o primeiro protocolo de Teste PCR a ser aceite pela OMS, publicado a 23 de Janeiro de 2020, no Eurosurveillance – mas também pelo CEO da TIB Molbiol, empresa que produz os testes segundo aquele protocolo.

Infelizmente, esse conflito de interesses não é mencionado no Corman / Drosten et al. papel, como 22 cientistas – entre eles um dos autores deste artigo, Stefano Scoglio – criticaram em uma recente análise em profundidade.

Ao todo, Scoglio e seus colegas encontraram “graves conflitos de interesse para pelo menos quatro autores”, incluindo Christian Drosten, bem como várias falhas científicas fundamentais. É por isso que eles concluíram que “o conselho editorial do Eurosurveillance não tem outra escolha senão retirar a publicação”.

On January 11, 2021, the editorial team of Eurosurveillance responded to Torsten Engelbrecht’s e-mail asking for a comment on this analysis:

We are aware of such a request [to retract the Corman/Drosten et al. paper] but we hope you will understand that we are currently not commenting on this. However, we are working towards a decision by the end of January 2021.

On January 27, Engelbrecht approached the journal once more to ask again: “Now is end of January. So please allow me to ask you again: What is your comment on the mentioned analysis of your Corman/Drosten et al. paper? And are you going to retract the Corman et al. paper – or what are you going to do?” Two days later, the Eurosurveillance editorial team answered as follows:

This is taking some time as multiple parties are involved. We will communicate our decision in one of the forthcoming regular issues of the journal.

Tradução – Em 11 de janeiro de 2021, a equipe editorial da Eurosurveillance respondeu ao e-mail de Torsten Engelbrecht pedindo um comentário sobre esta análise:

Estamos cientes de tal pedido [para retirar o Corman / Drosten et al. papel], mas esperamos que você entenda que não estamos comentando sobre isso no momento. No entanto, estamos trabalhando para tomar uma decisão até o final de janeiro de 2021.

No dia 27 de janeiro, Engelbrecht voltou a abordar o jornal para perguntar novamente: “Agora é final de janeiro. Portanto, permita-me perguntar novamente: Qual é o seu comentário sobre a análise mencionada de seu Corman / Drosten et al. papel? E você vai retratar o Corman et al. papel – ou o que você vai fazer? ” Dois dias depois, a equipe editorial do Eurosurveillance respondeu o seguinte:

Isso está levando algum tempo, pois várias partes estão envolvidas. Comunicaremos nossa decisão em uma das próximas edições regulares da revista.

BILLIONS UPON BILLIONS WASTED ON TESTS THAT COULDN’T MEAN LESS

Considering the lack of facts for detection of the alleged new virus and for the SARS-CoV-2 PCR tests to have any meaning, it is all the more scandalous that the costs of the tests are not publicly discussed, as they are enormous. Often, we hear politicians and talking heads state that meeting certain criteria the tests are free, but that is an outright lie. What they actually mean is that you don’t pay on the spot but with your taxes.

But regardless how you pay for it, in Switzerland, for example, the cost for a PCR test is between CHF140 and CHF200 (£117 to £167). So, let’s do the maths. At the time of writing, tiny Switzerland, with a population of 8.5 million, made about 3,730,000 SARS-CoV-2 PCR tests, besides about 500,000 antigen tests, which are a bit cheaper.

Considering an average price of CHF170 per PCR test, that’s a staggering CHF634 million, or £521 million. And despite the absurdity of testing asymptomatic people, just last week, on January 27th, the Swiss Federal Council called again on the people to get tested. Announcing that, starting the next day, the Swiss will have to pay with their taxes as well for mass testing of asymptomatic people. The Swiss Federal Council estimates that this will cost about 1 billion Swiss Francs.

Epidemiologist Dr. Tom Jefferson said in an interview to the Daily Mail:

Most PCR kits still cost more than £100 to obtain privately, for example, and the [UK] Government says it is now delivering 500,000 a day. But even these figures are dwarfed by the £100 billion the Prime Minister is prepared to spend on a ‘moonshot’ dream of supplying the population with tests [PCR and other kinds – ed.] more or less on demand—only £29 billion less than the entire NHS’s annual budget.

In Germany, the price varies widely, depending also if the test is paid privately or not, but on average it is similar to those in GB, and up to date they have performed about 37.5 million PCR Tests.

That is to say, billions and billions are spent — or downright “burned” — on tests that couldn’t mean less and are fuelling worldwide molecular and digital “deer hunting” for a virus that has never been detected.

Tradução – BILHÕES SOBRE BILHÕES DESPERDIÇADOS EM TESTES QUE NÃO PODERIAM SIGNIFICAR MENOS
Dada a falta de factos para a detecção do alegado novo vírus e para os testes de PCR do SARS-CoV-2 terem algum significado, é tanto mais escandaloso que os custos dos testes não sejam publicamente discutidos, por serem enormes. Frequentemente, ouvimos políticos e falantes afirmarem que, atendendo a certos critérios, os testes são gratuitos, mas isso é uma mentira absoluta. O que eles realmente significam é que você não paga no local, mas com seus impostos.

Mas independentemente de como você paga por ele, na Suíça, por exemplo, o custo de um teste de PCR está entre CHF 140 e CHF 200 (£ 117 a £ 167). Então, vamos fazer as contas. No momento em que este artigo foi escrito, a minúscula Suíça, com uma população de 8,5 milhões, fez cerca de 3.730.000 testes de PCR SARS-CoV-2, além de cerca de 500.000 testes de antígeno, que são um pouco mais baratos.

Considerando um preço médio de CHF170 por teste de PCR, isso é um impressionante CHF634 milhões, ou £ 521 milhões. E apesar do absurdo de testar pessoas assintomáticas, na semana passada, dia 27 de janeiro, o Conselho Federal Suíço convocou novamente as pessoas a fazerem o teste. Anunciando que, a partir do dia seguinte, os suíços terão que pagar com seus impostos também por testes em massa de pessoas assintomáticas. O Conselho Federal Suíço estima que isso custará cerca de 1 bilhão de francos suíços.

O epidemiologista Dr. Tom Jefferson disse em uma entrevista ao Daily Mail:

A maioria dos kits de PCR ainda custa mais de £ 100 para obtenção privada, por exemplo, e o governo [do Reino Unido] diz que agora está entregando 500.000 por dia. Mas mesmo esses números são ofuscados pelos £ 100 bilhões que o primeiro-ministro está disposto a gastar em um sonho ‘lunático’ de fornecer à população testes [PCR e outros tipos] mais ou menos sob demanda – apenas £ 29 bilhões a menos do que todo o orçamento anual do NHS.

Na Alemanha, o preço varia muito, dependendo também se o teste é pago em particular ou não, mas em média é semelhante aos do GB e, até o momento, foram realizados cerca de 37,5 milhões de testes de PCR.

Ou seja, bilhões e bilhões são gastos – ou simplesmente “queimados” – em testes que não poderiam significar menos e estão alimentando a “caça ao fantasma” digital e molecular em todo o mundo por um vírus que nunca foi detectado.


Torsten Engelbrecht is an investigative journalist from Hamburg, Germany. The significantly expanded new edition of his book “Virus Mania” (co-authored with Dr Claus Köhnlein MD, Dr Samantha Bailey MD & Dr Stefano Scolgio BSc PhD) will be available in early February. In 2009 he won the German Alternate Media Award. He was a member of the Financial Times Deutschland staff and has also written for OffGuardian, The Ecologist, Rubikon, Süddeutsche Zeitung, and many others. His website is www.torstenengelbrecht.com.
Dr Stefano Scoglio, BSc PhD, is an expert in microbiology and naturopathy and is coordinating scientific and clinical research on Klamath algae extracts, and on microalgae-based probiotics, in cooperation with the Italian National Research Center and various Universities. Since 2004, he has published many articles in international scientific journals. In 2018, Scoglio was nominated for the Nobel Prize in Medicine.
Konstantin Demeter is a freelance photographer and an independent researcher. Together with the journalist Torsten Engelbrecht he has published articles on the “COVID-19” crisis in the online magazine Rubikon, as well as contributions on the monetary system, geopolitics, and the media in Swiss Italian newspapers.


Farroupim Dom Fuas Roupinho