Nick Hudson é co-founder da organização Pandemics – Data & Analytics (PANDA) é um grupo multidisciplinar que procura informar sobre política.
Esta organização pretende dar as explicações que nos permitam contabilizar os custos humanos das respostas do COVID-19 globalmente. É composto por um grupo de cientistas, economistas, cientistas de dados, estatísticos, profissionais médicos, advogados, engenheiros e empresários líderes que trabalham como um colectivo para substituir a má ciência pela boa ciência.
Os membros da PANDA trabalham voluntariamente, oferecendo seu conjunto de habilidades para contribuir para a formulação de políticas e decisões informadas. PANDA não está alinhada com nenhuma entidade política e é financiada apenas pelos seus membros, pelas palestras e pelo seu público.

Nick Hudson e o seu instituto produziram uma palestra em que demonstraram as terríveis e anti-científicas decisões políticas de máscaras, quarentenas, e de instalar medidas para uma doença com uma taxa de letalidade irrelevante a fim de puxar agendas de vacinas do bigpharma.
Assim que o vídeo atinge os 500 000 vistos no youtube, é retirado da plataforma.
Qualquer pessoa decente, com a bússola dos valores bem e minimamente consciente, deve ficar assustada, a censura é constante.
Por sorte ainda há plataformas onde o vídeo foi salvo e deixo aqui para visualização.

https://archive.org/details/nick-hudson

Os três M, marxismo, modernismo e malthusianismo.

O marxismo através de colectivização, quarentenas, é um aproveitamento planeado ou não, contudo, existe ema transferência em curso de riqueza dos mais pobres para a bigpharma, bigtech, elites financeiras, monopólios que financiam os movimentos de esquerda. O comunismo é um monopólio da produção, da liberdade, o novo comunismo é monopolista e utiliza a chantagem do crédito social/emocional, o politicamente correcto, a ditadura sanitária covid, a agenda verde e o grande reset da tropa de Davos.

O modernismo permite o relativismo moral e substituição dos valores ético-morais do catolicismo, por uma sociedade hedonista, relativista, nihilista, confunde direitos com deveres, matar bebés no ventre das mães é um direito, morrer com vírus respiratórios acima da esperança média de vida uma catástrofe elevada a pandemia, ao mesmo tempo que promovem a eutanásia, recusam a mortalidade do homem, ao mesmo tempo que fazem vista grossa aos efeitos desastrosos das quarentenas, de famílias com o frigorífico vazio, praticam uma cegueira selectiva, enquanto taxam com covid a gripe e acreditam no milagre epidemiológico.
Continuam falando em ciência, ao mesmo tempo censuram 70 000 cientistas, a produção que respeita as evidências ciêntíficas sérias são sonegadas ou perseguidas.

Os que não tiveram perdas de rendimentos, os funcionários públicos continuam a dirigir as vidas dos demais que lhes pagam as mordomias, o faisão, enquanto os pagadores de impostos tiveram de vender os anéis para financiar os burocratas.
O modernismo é uma poderosa venda para permitir uma mutilação genital na nigéria seja condenada enquanto a mesma operação sob a capa da ideologia do género, nos países ricos, um avanço civilizacional, com direito a perseguição a médicos e a quem se atravesse na sua frente.

O malthusianismo das elites continua a sua senda messiânica de reduzir a população mundial, baseado em propaganda, sem qualquer respaldo científico, através de duas ferramentas, o aquecimento global e o covid:
A suécia no auge da suposta e falsa pandemia, não enviou medicação preventiva de doenças respiratórias, enviou dispositivos pro-aborto.
O malthusianismo continua também a ser a ideologia que impede o desenvolvimento dos países mais pobres, o aquecimento global é a poderosa ferramenta que impede possuir energia barata para retirar os pobres do limiar da pobreza, promove o lobby verde, as vacinas podem ser uma forma de atingir a redução da população, pelo menos assim o propõe BIll Gates.

Marxismo, modernismo e malthusianismo trabalham em conjunto e complementam-se