Em 19 de fevereiro de 2003, a CNN informou que uma “doença misteriosa” teria morto cinco pessoas na província de Guangdong, no sul da China, e que pelo menos 305 pessoas adoeceram desde novembro. Segundo relatos da imprensa de Hong Kong, a doença era a gripe aviária. (1) Em 5 de março de 2003, o Dr. Carlo Urbani, um médico italiano da OMS em Hanói, do Vietname, ligou para seu superior Dr. Shigeru Omi, representante da OMS no Pacífico Ocidental, em Manila e pediu suporte técnico por telefone. Em seu hospital em Hanói, muitos pacientes e funcionários adoeceram com uma doença infecciosa que ele suspeitava. Ele assumiu que os afectados podem ter contraído a doença de um paciente que veio de Hong Kong. Omi registrou isso, mas instou Urbani a participar de uma reunião em Bangkok (Tailândia) em 9 de março. Na verdade, um acto de total irresponsabilidade devido ao perigo de infecção – pelo menos se acreditarmos na teoria oficial da SARS. Apesar de todas as suas dúvidas, Urbani estava em um avião para Bangkok em 11 de março. E eis que ele também adoeceu durante o voo:

Em 11 de março, ele apresentou os primeiros sintomas durante o voo para Bangkok. À chegada, pediu a um colega do CDC, que o recebeu no aeroporto, que não o abordasse. Sentaram-se afastados um do outro e esperaram em silêncio por uma ambulância com o equipamento de proteção necessário. (2)

Urbani foi internado directamente do aeroporto para a ala de isolamento de um hospital em Bangkok. No entanto, não ficou claro se seus sintomas eram uma consequência da doença infecciosa que ele suspeitava.



Hong Kong: Local de origem?
Agora a campanha da SARS começou: assim que Urbani deixou Hanói, o Dr. Shigeru Omi divulgou um relatório em 12 de março em nome da OMS, alertando para uma ‘Síndrome Respiratória Aguda Grave’ de ‘causa desconhecida’, ou SARS para abreviar. Antes disso, falava-se de gripe aviária. A OMS escreveu em seu site: “Até agora, nenhuma ligação foi estabelecida entre esses surtos de síndrome respiratória aguda em Hanói e Hong Kong e os surtos de gripe aviária (H5N1) relatados em Hong Kong em 19 de fevereiro. As investigações estão em andamento e os testes laboratoriais das amostras do Vietname e Hong Kong está sendo conduzidas por centros no Japão e nos Estados Unidos em cooperação com a OMS.”

Hong Kong tornou-se o local de origem da SARS sem qualquer evidência porque Urbani foi infectado por um paciente de Hong Kong: Pessoas que chegam de Hong Kong com sintomas de gripe são possíveis casos de SARS a partir de agora em quase todo o mundo. Na Europa, os primeiros casos suspeitos foram ligados à SARS e as primeiras ‘mortes’ no Canadá. Os primeiros casos suspeitos também ocorreram na Alemanha. Os sintomas por si só e uma visita recente a Hong Kong foram suficientes para a suspeita de SARS. Em 15 de março de 2003, a OMS emitiu um alerta mundial de viagem.

Os suspeitos de SARS geralmente eram imediatamente colocados em quarentena severa, mesmo que não apresentassem nenhum sintoma, e tratados com medicamentos antivirais poderosos. Às vezes também com antibióticos. Se este tratamento causou ou agravou os sintomas não foi investigado. Por exemplo, o médico italiano Carlo Urbani, considerado o descobridor da doença, pode ter morrido em Bangkok por excesso de tratamento. (pág. 69)



Nada além de uma suposição
Em meados de março de 2003, a corrida global dos institutos epidemiológicos para ‘descobrir’ o misterioso vírus SARS estava em pleno andamento. O bem-sucedido instituto não apenas desfrutou de fama mundial, mas também recebeu doações generosas para financiar pesquisas, estudos e publicações adicionais. Por enquanto, o vírus não passava de uma conjectura.

Apenas três semanas depois, foi dito: “Todos os onze laboratórios que trabalham na SARS concordam que um vírus corona é a causa principal”, disse o porta-voz da OMS, Peter Cordingley, à revista científica New Scientist em 7 de abril. artigo sobre o corona vírus como possível causa da SARS na renomada revista científica Lancet. Os vírus corona foram detectados em dois dos 50 pacientes usando procedimentos de testes genéticos e anticorpos específicos foram detectados em outros 35 pacientes. A bactéria ‘Escherichia coli’ foi encontrada em uma amostra e as bactérias ‘Klebsiella pneumoniae’ e ‘Haemophilus influenzae’ em outros dois pacientes. (3) Esses vestígios não foram seguidos, embora no final não fossem muito menos prováveis ​​de serem a origem de uma doença do que os vírus corona – sem mencionar outras causas, como poluição do ar etc., que nunca foram discutidas. A decisão foi tomada: a rede mundial de laboratórios da OMS agora lidaria apenas com o vírus corona como uma possível causa da SARS.



Drosten manda saudações
Dois dias depois, cientistas do Instituto Bernhard Nocht, em Hamburgo, publicaram um estudo no New England Journal of Medicine (NEJM) segundo o qual os vírus corona foram detectados em pacientes com SARS usando o método PCR. De acordo com o BNI, as sequências genéticas encontradas foram apenas 50 a 60% semelhantes aos vírus corona conhecidos. Christian Drosten, hoje talvez o mais importante conselheiro do governo sobre o tema da COVID-19, também esteve envolvido.

Conclusão da publicação: O novo vírus corona, cuja existência foi deduzida a partir das sequências genéticas encontradas, ‘poderia’ desempenhar um papel na causa da SARS. (4) No mesmo dia, o NEJM publicou outra importante publicação do CDC dos EUA, que alegava identificar o corona vírus como causador da doença. (5)

Agora, um crítico interveio: Frank Plummer, principal pesquisador de SARS do Canadá e director de um dos laboratórios da OMS. Em uma onda anterior da doença, apenas cinco dos nove casos foram encontrados. Ao mesmo tempo, 20% dos canadianos completamente saudáveis ​​que estiveram recentemente na Ásia tinham o vírus neles. Plummer ficou muito irritado com os resultados e anunciou novas investigações. Foi ainda dito: “Os representantes do CDC consideram os dados de Plummer pouco convincentes em comparação com os estudos não publicados da Holanda, segundo os quais a injecção do vírus em macacos levou a sintomas semelhantes aos da SARS”. (6)



A Experiência do Macaco de Roterdão
De que estudo se tratava? O cumprimento dos postulados de Koch para o vírus da SARS foi reivindicado pela primeira vez por pesquisadores da Universidade de Roterdão no final de abril. Naquela época, no entanto, o veredicto de culpado contra o vírus suspeito havia sido proferido há muito tempo sem a menor prova científica de que os sintomas respiratórios dos supostos pacientes de SARS tinham algo a ver com um novo vírus corona desconhecido. Em 22 de julho, a renomada revista Lancet publicou um artigo com a ‘prova final’ de que um vírus corona específico anteriormente desconhecido era a causa da nova doença SARS. [7] Um grupo de pesquisadores da Universidade Erasmus de Roterdão concluiu que os postulados de Koch foram cumpridos por seus experimentos com macacos, comprovando assim o papel de um vírus específico como agente causador da doença.

Os cientistas pegaram uma cultura de células, que era originalmente de um paciente que supostamente morreu de SARS, e a administraram a quatro macacos na garganta, nariz e sob as pálpebras. Os animais foram examinados diariamente para sintomas clínicos. Pouco antes da infecção e no segundo, quarto e sexto dias subsequentes, foram retirados 10 ml de sangue das veias inguinais dos macacos e zaragatoas do nariz, boca, garganta e ânus. Os animais apresentaram sintomas diferentes, como letargia, erupção cutânea e falta de ar, mas não de maneira uniforme. O pulmão e o tecido linfático de alguns macacos apresentaram anormalidades.



Falcatrua científica grosseira
Como já mencionado, a atribuição dos sintomas ocorridos só é possível se o vírus estiver presente em cultura pura e sua composição tiver sido claramente determinada. No entanto, nenhuma publicação científica estava disponível sobre este assunto – os pesquisadores de Roterdão também não reivindicaram isso para si. Os macacos foram anestesiados com cetamina quatro vezes durante o procedimento de coleta. Possíveis efeitos colaterais desta droga em humanos: Letargia, erupção cutânea e falta de ar, que é o que os macacos também mostraram. Esses efeitos colaterais conhecidos em humanos também podem se manifestar em macacos de forma mais fraca, mais forte ou alterada. Curiosamente, os possíveis efeitos colaterais da cetamina não foram discutidos no artigo! Basicamente, estamos lidando aqui com trapaça grosseira – em um ‘nível altamente científico’, é claro.

Com base em apenas quatro animais experimentais que nem sequer apresentaram consistentemente os mesmos sintomas, sem mencionar sintomas típicos de SARS ou gripe, como febre e tosse, os pesquisadores concluíram que os vírus corona são a causa de uma doença grave. Em tal experimento, um cientista honesto tentaria identificar todos os factores que poderiam falsificar os resultados. Isso geralmente é feito por um grupo de controle que é exposto exactamente às mesmas condições e tratamentos de retenção (possivelmente traumáticos), incluindo anestesia com cetamina. Por que isso não foi feito? Os experimentos da Universidade de Roterdão publicados no Lancet não foram adequados para provar uma causa viral dos sintomas da SARS. A configuração experimental não era apenas cientificamente questionável, mas um absurdo grosseiro!



Outras inconsistências

Metade dos novos casos relatados em Pequim não teve contacto anterior com casos suspeitos de SARS. (8).

Em 3 de junho, o jornal alemão ‘Märkische Oderzeitung’ notou que a OMS sempre falava apenas de casos ‘prováveis’ de SARS, mas nunca de casos comprovados. Não havia definição da OMS para casos reais de SARS, mas sim ‘casos suspeitos’ e ‘casos prováveis’. A categoria ‘provável’ é a categoria mais alta atribuída pela OMS para pacientes com SARS. (9) A SARS chocou o mundo em 2003. Tudo estava ansioso para com a China. No final, os números foram insignificantes. Sem uma campanha de mídia, ninguém teria notado a SARS.

Os testes de vírus usados ​​​​foram mais do que questionáveis ​​​​em sua validade: Como a Organização Mundial da Saúde (OMS) anunciado em um comunicado de imprensa em 22 de outubro de 2003, ainda não havia ‘padrão ouro’ para a detecção do suposto vírus SARS. (10) A essa altura, a ‘epidemia’ já tinha passado.


No verão de 2003, o número de pessoas ‘recém-infectadas’ no mundo diminuiu constantemente, ou assim foi alegado. Oficialmente, a ‘epidemia de SARS’ terminou com 8.096 doentes e 774 mortos. Esses números são desprezíveis. Apesar de toda a tragédia para os afetados e suas famílias, o perigo potencial representado pela SARS era absolutamente ridículo. Sem testes em todo o mundo, ninguém teria notado a SARS.

Se muitas das mortes oficiais por SARS realmente morreram devido aos medicamentos que receberam, nunca foi investigado. O jornal alemão ‘Süddeutsche Zeitung’ descreveu o tratamento do famoso caso de Carlo Urbani desta forma

“Tentaram de tudo, antibióticos, novas drogas contra a gripe, uma droga antiviral com a qual os médicos de Hong Kong teriam tido sucesso. Nada ajudou. Carlo Urbani estava em um país estrangeiro, cercado por seis figuras encapuzadas com máscaras, óculos, ternos, sapatos capas, luvas duplas. Pessoas que não podiam tocá-lo. Às 11h45, após o quarto ataque cardíaco, os médicos desistiram das tentativas de reanimação.” (11)

Nunca saberemos quantas das 774 ‘vítimas de SARS’ realmente sofreram com os efeitos colaterais desse tratamento.




Pobreza e factores ambientais como causas?
Casos de pneumonia grave na província chinesa de Guangdong, perto de Hong Kong, são considerados o ponto de partida da “epidemia de SARS”. Uma anamnese responsável deve, naturalmente, levar em conta as condições de vida das pessoas afetadas. Portanto, informações mais detalhadas sobre as condições em Guangdong seriam relevantes. Somente aqueles que se dedicaram à visão de túnel virológico escaparão do fato de que as condições catastróficas de vida e ambientais em Guangdong provavelmente ainda representam um fator de risco de doenças crônicas hoje. A província de Guangdong é uma zona econômica especial e está passando por um boom de alta tecnologia sem precedentes. No entanto, os lados sombrios desse rápido desenvolvimento são a poluição ambiental extrema, os baixos padrões de segurança no local de trabalho e o surgimento de favelas com condições de vida desumanas. Em Guangdong, a sucata de computador das terras ricas do Ocidente é decomposta à mão em seus componentes às vezes altamente tóxicos, sem medidas de proteção. As condições de vida aqui são completamente suficientes para explicar o aumento da incidência de doenças respiratórias. Mas essas condições de vida não foram discutidas por virologistas, políticos ou autoridades como fator a ser considerado – nem mesmo em Wuhan em 2020.

Ribavirina & Co – Medicação mortal?


Após a suposta ‘epidemia de SARS’ em 2003, houve fortes críticas à administração de medicamentos. O SARS foi tratado principalmente com antibióticos, esteróides e o antiviral ribavirina. Um pesquisador de Hong Kong escreveu sobre este último em 2004:

“A ribavirina foi selecionada como um agente antiviral empírico para a terapia da SARS na situação angustiante de um grande surto de uma infecção com risco de vida, antes mesmo que o patógeno real fosse identificado. causada por um novo vírus”. (12)

Drogas antivirais como a ribavirina interrompem a produção de novas moléculas de DNA ou RNA. Além dos supostos vírus, eles também danificam células saudáveis ​​e podem levar à anemia. Depois que a histeria em massa da SARS diminuiu, muitos médicos descobriram que os medicamentos antivirais poderiam prejudicar os pacientes. Esta foi a opinião de 21 médicos canadenses:

“O uso de ribavirina foi temporariamente associado a toxicidade significativa”. (13)

Sete médicos de Taiwan concluíram que a anemia induzida pela ribavirina leva a “uma taxa de mortalidade significativamente maior”. (14)

Esses agentes antivirais também são usados ​​no caso do COVID-19, incluindo medicamentos tóxicos para a AIDS, como lopinavir e ritonavir. Além disso, pode-se observar que sempre houve uma forte correlação entre a intensidade da histeria geral e a quantidade e potência das drogas utilizadas.



Artigo original publicado na edição 32 de maio de 2020 da German ExpressZeitung

Outros artigos complementares:

https://farroupim.com/investigadores-do-coronavirus-admitem-que-nao-tem-provas-cientificas-da-sua-existencia/

https://farroupim.com/1011-estudos-cientificos-provam-o-genocidio-das-vacinas-covid/

https://farroupim.com/ciencia-ficcao/

https://farroupim.com/medicina-do-baphomet/

https://farroupim.com/51406-2/

https://farroupim.com/o-pcr-nao-e-valido/

https://farroupim.com/virus-fantasma-na-procura-do-sars-cov-2/

Farroupim Dom Fuas Roupinho

Acompanhe-nos no Telegram https://t.me/Farroupim_Blog

Nós não somos financiados pela fundação Bill e Melinda Gates ou Harriman, não recebemos nenhuma ajuda da Fundação Rockefeller, Ford, ou da família Oppenheimer, não somos patrocinados por nenhum grupo ou partido político, não conhecemos George Soros, não possuímos tempo ilimitado, temos de trabalhar e ganhar o nosso sustento, a informação tem custos, livros, dados, etc. Também não recebemos nenhuma subvenção do estado.

Por favor ajude.

Bitcoin: bc1qhft2res6nwl74kflm95htds2tg7dtw8mcmve70


References:

(1) TIMES, Special Report “The Truth about SARS”, May 2003

(2) NEJM, May 15, 2003

(3) Peiris et al, The Lancet, April 8, 2003

(4) Drosten et al; NEJM, April 10, 2003

(5) Ksiazek et. al., nejm.org, April 10, 2003

(6) U.S. News & World Report of April 27, 2003

(7) thelancet.com, Newly discovered coronavirus as the primary cause of severe acute respiratory syndrome

(8) Epidemiologisches Bulletin des RKI (Epidemiological Bulletin of the RKI) No. 20/2003 of May 16, 2003

(9) Märkische Oderzeitung online, 3.6.2003

(10) German Medical Journal, 23 Oct. 2003

(11) Süddeutsche Zeitung, April 8, 2003

(12) ncbi.nlm.nih.gov, Severe acute respiratory syndrome among children, 2004

(13) jamanetwork.com, Clinical Features and Short-term Outcomes of 144 Patients With SARS in the Greater Toronto Area, 2003

(14) ncbi.nlm.nih.gov, Adverse effects of ribavirin and outcome in severe acute respiratory syndrome: experience in two medical centers, 2005