Um olhar mais atento sobre os anticorpos é mais importante hoje do que nunca. Depois de já ter sido demonstrado em outros artigos que não há comprovação da existência de um vírus patogênico (1), uma vez que nenhum dos vírus patogénicos reivindicados cumpriu os postulados de Koch (2), a indústria da vacinação está a jogar a cartada do “anticorpo”.

A alegação, que foi inoculada nas suas cabeças por décadas, de que eles são a prova indirecta de um patógeno, ou oferecem protecção contra um patógeno X, é baseada em pressupostos de fraude.

Este tipo de afirmação por substitutos (fabricantes de substitutos) tem sido repetidamente exposto como falso. Como me perguntaram repetidamente quais são esses anticorpos, gostaria de mostrar neste artigo que os anticorpos não são prova de protecção, nem que funcionam especificamente de acordo com a teoria da chave/fechadura.

Que é o aumento dos anticorpos?

Citação: Dr. Stefan Lanka:

“O aumento nada mais é do que a reação do corpo ao envenenamento [adjuvantes], quando o corpo é envenenado, buracos são abertos nas células por esses venenos e as células são destruídas. globulinas), pequenas proteínas que imediatamente se expandem no estado ácido, tornam-se planas e reticulam-se com seus grupos sulfeto de hidrogênio, nos quais a energia é armazenada, com outras e outras proteínas.

Estes iniciam a coagulação do sangue e a formação de feridas e selam nossas células quando as toxinas são implantadas no corpo. Mas mesmo que você receba um golpe no músculo, no caso de uma contusão, ou um golpe no rim (especialmente sensível) ou no fígado, há um aumento imediato no anticorpos. O corpo reage selando as células danificadas e selando as células que crescem naturalmente.

É como uma casa que vaza até que as janelas estejam dentro e isoladas, isso se chama anticorpo e até anticorpo específico, isso não é verdade, a propriedade de ligação dessas proteínas com seu grupo de sulfeto de hidrogênio não é específica, isso se liga a todos tipo de coisa, você pode manipular isso no laboratório alterando a acidez, adicionando detergentes (detergente) que alteram a concentração do mineral, para que você consiga uma ligação ou não.

O sangue de uma mulher grávida está cheio de globulinas para selar a placenta, que está em constante crescimento, para levar a substância até a criança. O sangue de uma mulher grávida deve ser diluído 40 vezes para evitar que ela seja massivamente positiva em testes, como o teste de HIV”.

A aprovação de vacinas está limitada à chamada soroconversão.
Todas as vacinas para a Europa são aprovadas pela EMA (European Medicines Agency) em Londres. A sua exigência de comprovação de eficácia (3) limita-se unicamente à chamada seroconversão. Esta soroconversão descreve a formação de anticorpos mensuráveis ​​no sangue de pessoas vacinadas, que são equiparados com efeito protector.

Ao avaliar a imunidade após a vacinação ou a eficácia das vacinas, no entanto, essa limitação decisiva é novamente colocada em perspectiva pelo facto de que (quase) todas as vacinas actuais desenvolvem sua eficácia principalmente através da formação de anticorpos: “Embora as respostas imunes mucosas e celulares sejam claramente importante para a protecção de algumas vacinas, a maioria das vacinas licenciadas hoje depende de sua eficácia em anticorpos séricos”. (Plotkin 2010 (4) e 2001 (5)).

Isso também é importante para o desenvolvimento e aprovação de vacinas, pois elas precisam comprovar sua eficácia nesse contexto – o que é feito sem excepção (e em muitos casos exclusivamente!) pela determinação dos anticorpos provocados.

Mesmo os membros de longa data da STIKO (6) nem sempre parecem estar cientes dessa correlação quando questionam a utilidade das determinações de anticorpos titulos após as vacinações – afinal, a comprovação da eficácia das respectivas vacinações é baseada na detecção precisamente desses anticorpos títulos.

De acordo com o Prof. Heininger:

“Para nenhuma das chamadas vacinas básicas geralmente recomendadas é um controle de rotina do sucesso da vacinação planeado ou mesmo aconselhável.” (Heininger 2017) (7) ou a declaração geral sobre a vacinação contra o sarampo, “que um resultado laboratorial positivo não atesta protecção” (Heininger 2016) (8) – – neste último caso, a vacinação não teria sido certificada em vigor no contexto da aprovação…

No entanto, na medicina sabemos há muitas décadas que anticorpos circulantes não são sinônimo de protecção contra uma doença, que até o leigo pode entender por meio de pequenos exemplos.

Se os anticorpos refletem a indicação de proteção, como as seguintes declarações do RKI (9), STIKO e Arznei-Telegram (10) se encaixam?

  1. No Journal Arznei-Telegram de abril de 2001 diz: (11) “Título induzido por vacina aumenta, são critérios substitutos não confiáveis ​​para eficácia. Que benefício ou dano a pessoa vacinada pode esperar não pode ser deduzido de tais achados.

    2. O RKI (Robert Koch Institute) escreve: (12) “Para algumas doenças evitáveis ​​por vacina (por exemplo, coqueluche), não há uma correlação sorológica confiável que possa ser usado como um marcador substituto para a imunidade existente. Além disso, a concentração de anticorpos não é indicativa de uma possível imunidade celular.”

    3. O Prof. Heininger, um membro de longa data da STIKO (comissão permanente de vacinação) escreve sobre isso: (13) “Não é necessário nem útil determinar a eficácia por amostragem de sangue e determinação de anticorpos após a administração de uma vacinação. Por outro lado, não é possível fazer uma declaração confiável sobre a presença ou ausência de proteção vacinal mesmo por determinação de anticorpos e, por outro lado, é simplesmente muito caro”.

    4. Doente apesar da vacinação? (14) Um exemplo disso pode ser um menino de 14 anos que recebeu imunização básica suficiente em sua infância e um reforço contra o tétano seis meses antes, quando desenvolveu o tétano. Durante os exames laboratoriais, os anticorpos foram encontrados tão altos que, de acordo com a definição dos títulos de anticorpos, ele deveria estar protegido. Mas ele não era! Este exemplo mostra que a teoria dos anticorpos como “balas mágicas protetoras” não está correta. O RKI então cunhou o termo anticorpos “não protetores”.

    5. Prof. Heininger – STIKO (2017): (15) “O mais importante antes de tudo: Para nenhuma das chamadas vacinas básicas geralmente recomendadas é um controle rotineiro do sucesso da vacinação planejado ou mesmo aconselhável.”

    6. Prof. Heininger – STIKO (2016): (16) “…não há apenas resultados falso-negativos de anticorpos IgG (o que não nos incomodaria se a criança recebesse uma vacina MMR), mas infelizmente também resultados falso-positivos. deve ser informado aos pais para que eles entendam que um resultado laboratorial positivo não atesta proteção e que eles são muito mais aconselhados a dar ao seu filho uma 2ª dose de MMR”.

    Observação: Novamente, esta é uma confirmação de que um resultado laboratorial positivo não tem significância. A questão que surge repetidas vezes é: como sabemos que os anticorpos oferecem proteção circulante quando as próprias autoridades mais altas dizem que o aumento do título não pode dar qualquer indicação se existe proteção. Quando as pessoas têm altos níveis de anticorpos, mas ainda adoecem? Se ninguém pode dizer exatamente em qual leitura de título há proteção real, por que a aprovação de uma vacina é baseada nessa leitura exata? Pessoalmente, isso me deixa mais do que um pouco desconfiado.

Os seguintes pontos são de importância crucial nesta discussão:

em primeiro lugar, que não podemos esclarecer com segurança a questão da imunidade através da determinação de anticorpos para cada vacinação (veja abaixo),

Em segundo lugar, que os anticorpos que determinamos em testes de rotina não são automaticamente os que fornecem protecção (e, portanto, representam o correlação de imunidade), mas às vezes apenas aqueles que indicam que, além dos anticorpos protetores medidos que não são decisivos para a imunidade, anticorpos protetores que certamente não são medidos foram produzidos (os medidos são então um chamado parâmetro substituto de imunidade). Esta circunstância complicada baseia-se, por um lado, no facto de que a resposta imune produz numerosos anticorpos diferentes com funções diferentes e, por outro lado, a determinação dos anticorpos realmente decisivos em algumas vacinas seria muito demorada para diagnósticos de rotina. (Ou, para simplificar, a conexão entre anticorpos e imunidade é um fantasma).

Em terceiro lugar, cada imunidade é sempre apenas uma afirmação estatística e, portanto, relativa se protege no caso individual ou não. As verdadeiras razões para o estado do corpo ser “livre de sintomas” estão enterradas em outras justificativas. “Assim, a proteção é um conceito estatístico. Quando dizemos que um determinado título de anticorpos é protetor, queremos dizer sob as circunstâncias usuais de exposição, com uma dose média de desafio e na ausência de fatores negativos do hospedeiro”. (17)

Em quarto lugar, nesta conexão também a questão é crucial, a proteção da visão da medicina ortodoxa contra a qual exatamente então se destina. Por exemplo, afirma-se que no caso de HiB (Haemophilus influenzae) e sarampo, níveis de anticorpos muito mais baixos protegem contra a própria contração da doença (proteção contra a doença) do que o necessário para prevenir a transmissão a outros (protecção contra infecção).

Nota: Como não há comprovação científica do vírus do sarampo até o momento (18), surge naturalmente a questão de como a alegação de protecção no sarampo por anticorpos pode ser baseada no facto de o patógeno ainda não ter sido comprovado. Uma falácia. Então o cavalo é colocado no freio aqui. Eu meço algo “anticorpos”, então indirectamente afirmo ter um patógeno.

Os títulos de anticorpos mensuráveis ​​após a vacinação mostram apenas o confronto do sistema imunológico com os antígenos, que em sua maioria são acoplados a adjuvantes. Sem esses adjuvantes, não ocorreria a formação de anticorpos. Aqui fica claro que o sistema imunológico é muito mais complexo e não funciona exclusivamente através da formação de anticorpos.

Quem sofre de herpes desenvolve anticorpos circulantes contra o vírus do herpes. No entanto, o herpes pode surgir repetidas vezes ao enfraquecer o sistema imunológico, para muitas pessoas o desgosto é suficiente. E isso mesmo que os anticorpos do herpes sejam detectáveis. Aquele que é HIV positivo também não está feliz por ter anticorpos circulantes contra o HIV.

O modelo com os anticorpos não funciona na frente e atrás. Se eles podem oferecer proteção, como é que as pessoas que têm um título suficiente ainda adoecem? Como é possível que a lógica completa dos anticorpos no HIV tenha girado 180 graus, onde anticorpos altos são contraproducentes?

Não são necessários anticorpos, a protecção por vacinação é sempre assumida sem fornecer qualquer evidência. O fantasma é sempre assumido, não se quer pensar em outras direcções! Isso não é uma ciência. O RKI escreve em seu site:

Como devemos proceder se não forem detectáveis ​​anticorpos contra o sarampo após uma dupla vacinação?

Se duas vacinas contra o sarampo forem documentadas, a protecção contra o sarampo pode ser assumida com alta probabilidade, mesmo na ausência ou níveis limítrofes de anticorpos. Uma terceira vacinação contra o sarampo não é necessária. É provável que a proteção após uma dupla vacinação dure por toda a vida. (19)


Para reivindicar um “anticorpo”, é necessário um “corpo”
Como já apontei em meus outros artigos, ainda não há comprovação da presença de supostos vírus causadores de doenças. (20)|(21). Então, se eu não tenho nenhuma evidência para o corpo, como posso afirmar que tenho anticorpos específicos definidos e, mais importante, como, em nome de Deus, posso testá-los? Você sabe a resposta, simplesmente não é possível.



O que tudo isso significa para a pessoa vacinada?
Como não há pesquisas científicas sobre a frequência com que ocorre esse fenômeno de indivíduos vacinados desenvolverem anticorpos não protectores, a possibilidade de doença permanece para cada indivíduo vacinado. Um registro completo de vacinação e também a detecção de títulos de anticorpos, como muitas vezes é feito para rubéola ou hepatite B, por exemplo, não oferecem nenhuma garantia.

Os anticorpos não protectores inventados de improviso poderiam explicar a situação de que após a vacinação (por exemplo, contra sarampo, caxumba, rubéola ou coqueluche, etc.) o indivíduo vacinado pode ter anticorpos, mas ainda desenvolver doença (sarampo, caxumba, rubéola ou coqueluche, etc)? Seriam eles os responsáveis ​​(além das supostas mutações que prejudicam a protecção vacinal) pelas epidemias apesar das altas taxas de vacinação, nas quais não raro grande parte dos doentes estava suficientemente vacinada?

Anticorpos circulantes por si só não fornecem protecção confiável, e isso tem sido o conhecimento médico ortodoxo por muitas décadas. Em contraste, a prova de eficácia no momento da aprovação da vacina é baseada apenas na prova dos títulos de anticorpos supostamente (às vezes?) protectores.


DIMDI, o Instituto Alemão de Documentação e Informação Médica: O título de anticorpos é apenas uma medida suplementar

Um quarto da verdade da medicina convencional – mas ainda assim!

Anticorpos” são endpoints substitutos, ou seja, quantidades de medição substitutas inventadas com base em correlações aleatórias, diz o DIMDI, o Instituto Alemão de Documentação e Informação Médica:

“O uso de desfechos substitutos […] não é isento de problemas. No passado, houve muitas situações em que confiar em desfechos substitutos era enganoso ou tinha consequências fatais, apesar da forte correlação com o desfecho clínico. Esse problema é conhecido por mais de 30 anos. […] Alguns produtos que foram aprovados com base em desfechos substitutos tiveram que ser retirados do mercado mais tarde porque a relação benefício-risco foi revertida em estudos com desfechos de mortalidade ou morbidade.” Fonte: DIMDI, Colônia 2009 (22)


Observação: Estamos lidando com “fabricantes de substitutos” problemáticos há décadas, que repetidamente levaram a resultados e suposições extremamente errados. Apesar da forte correlação (a correlação é nenhuma prova científica, apenas uma indicação) estes eram enganosos e tinham consequências fatais! Lentamente, é hora de corrigir esse equívoco de anticorpos.

Guia de trabalho sobre o tema dos anticorpos: Stefan Lanka e Veronika Widmer de: DOES VACCINATION FAKE SSENSE?
Um trecho de: “A vacinação faz sentido? Vírus patogénicos? Vírus isolados? A Lei Básica. Como os novos vírus são identificados? Comentário sobre vírus alegadamente isolados (alemão) Folheto – 1º de julho de 2005”: (23)

Comente a pergunta (errada): O que são anticorpos?

Pergunta correta: O que é medido quando os anticorpos são reivindicados?

Segundo Pschyrembel, os anticorpos são “uma possível reação do sistema imunológico. Os anticorpos não ocorrem naturalmente”.

Essa formulação foi escolhida porque se sabe que pessoas com alto “título de anticorpos” podem adoecer da mesma forma que pessoas sem “título” permanecem saudáveis? A medicina ortodoxa de hoje distingue entre a formação de anticorpos estranhos (bactérias patogênicas, toxinas de vírus) e os próprios anticorpos do corpo (células tumorais).

Enquanto nos dizem que após a vacinação o organismo fica protegido pela formação de anticorpos, a medicina ortodoxa também descreve casos em que a presença de anticorpos indica efeitos adversos no organismo. Por exemplo, a medicina convencional refere-se a alergias, AIDS, rejeição de transplantes e doenças autoimunes. O Instituto Robert Koch explica isso: Um aumento da concentração total de imunoglobulina no soro indica, na maioria dos casos, uma doença alérgica.

No entanto, níveis elevados também podem ocorrer, por exemplo, em casos de infestação parasitária ou tumores malignos. No caso de alergias por inalação, os valores de imunoglobulina E estão moderadamente a muito aumentados, dependendo dos sintomas e do número de alérgenos que desencadeiam a alergia. Uma imunoglobulina E normal não exclui uma alergia.

Se os anticorpos são diagnosticados após uma vacinação, a medicina convencional nos diz que a pessoa em questão está protegida. No entanto, é ocultado que as pessoas adoecem apesar da presença de anticorpos e pessoas sem anticorpos permanecem saudáveis. Os anticorpos anti-HIV detectados pelo procedimento de teste fornecem e trazem o diagnóstico – fatalmente doente – ou pelo menos – fatalmente doente para a pessoa afectada. Os anticorpos da rubéola detectados pelo procedimento de teste fornecem e trazem o diagnóstico – protegido – para a pessoa afectada. Uma contradição em si. Corpos “anti” nunca foram detectados.

No entanto, foram detectados corpos, as imunoglobulinas, que, entre outras coisas, desempenham um papel na coagulação e na ligação cruzada de proteínas. A palavra “anti” assume que as imunoglobulinas só podem se ligar a certas proteínas. Todos os experimentos já feitos excluem isso. Se a ligação ocorre ou não depende do estado e do ambiente das proteínas: se ácidas ou básicas, ou seja, oxidadas ou reduzidas. Todo cientista que realizou tais experimentos ou os estudou sabe disso.



Testes de anticorpos: O procedimento no laboratório

Primeiro, o sangue é separado de suas células e das proteínas maiores. Isso é feito, por exemplo, por uma centrífuga. 99% de todos os exames realizados são realizados com o soro do paciente, o restante com água do sangue. Agora, o técnico de laboratório é informado sobre o que deve ser testado pelo teste de anticorpos. Para este efeito, o chamado sobrenadante é então preenchido com substâncias patenteadas correspondentes, produzidas farmaceuticamente, cuja composição é mantida em segredo (o governo e o Instituto Paul-Ehrlich sob sua supervisão mantêm estrito sigilo). Se houver uma reacção mensurável, o teste é avaliado como “positivo”. Até agora, foi alegado que, se os anticorpos foram detectados, a proteção imunológica foi comprovada.

A única quantidade de “anticorpos” determinada indirectamente e não quantitativamente é então chamada de título. Desde a AIDS, no entanto, uma sentença de morte foi pronunciada, se necessário, porque desde então foi alegado que os anticorpos reivindicados agora equivalem à existência e presença do vírus da AIDS. Portanto, não é surpreendente que não haja um padrão científico para títulos e as medições nunca sejam comparáveis.

É ainda menos surpreendente que não haja qualquer critério científico sobre qual título pode, deve, pode etc. ser chamado de “proteção imunológica”. O técnico de laboratório é informado de que o kit de teste contém uma ou mais proteínas que correspondem exactamente à forma do micróbio. Se o técnico de laboratório pensasse sobre isso, perceberia que sob as condições apropriadas a forma das proteínas não poderia corresponder à do micróbio reivindicado, porque as proteínas não estão mais em seu ambiente natural. Isso é chamado de desnaturação das proteínas.

De acordo com a lógica delirante da compulsão, essas proteínas secretas são então chamadas de “antígenos”. Contra o qual os anticorpos podem ser detectados. O kit de teste também contém: e. corantes e substâncias que servem para produzir um sinal “positivo” para produção. O aparelho, no qual a coisa toda é então colocada, é calibrado novamente com substâncias cuja composição é mantida em segredo e que são monitoradas pelo Instituto Paul Ehrlich. Isso e por que existem cerca de 5% de pessoas em toda a população em cujo sangue, em condições laboratoriais, pouca ou nenhuma imunoglobulina pode ser detectada, não é discutido e nem investigado.

Essas pessoas são então chamadas de “não respondedores” após a vacinação e são envenenadas com cada vez mais vacinas de acordo com a lógica delirante compulsiva. Para esses 5%, o grupo sanguíneo AB foi inventado. E, segundo a lógica compulsiva, os grupos sanguíneos A e B, além do grupo sanguíneo 0 (40% da população), para os quais poucas ou nenhumas proteínas que possam se aglutinar no tubo de ensaio são encontradas em condições laboratoriais adequadas.

As contradições decorrentes do dogma dos grupos sanguíneos foram discutidas, primeiro alegando um factor rhesus e depois pela introdução contínua de milhares de subgrupos sanguíneos.


Stefan Lanka: Factos que refutam as alegações sobre “anticorpos” e um sistema imunológico específico

Como existem as chamadas doenças autoimunes e as chamadas alergias que ocorrem na velocidade da luz. Na psico-neuro-imunologia isso é chamado de “Bahnung”.
Comentário: Não pode ser que anticorpos “específicos” reajam contra as “estranhas” e de repente contra as “próprias” proteínas.

intestinais “estranhas” alternadas existem lado a lado com células imunes, que supostamente gerenciam a defesa específica.
Comentário: Se houvesse anticorpos específicos, a colonização intestinal não deveria ser capaz de mudar.

seres humanos, mamíferos, peixes ósseos e tubarões. Produzem imunoglobulinas.
Comentário: Se houvesse anticorpos específicos, a prole seria destruída e o leite materno seria tóxico.

No desenvolvimento de humanos e animais, sob choque e na velhice, novas proteínas aparecem.
Comentário: Uma vez que, de acordo com as hipóteses imunes nunca verificadas, mas sempre apenas falsificadas, as proteínas “estranhas” e “próprias” são reconhecidas no timo na primeira infância e os “anticorpos” ou as células imunes que as formam são classificados contra proteínas “próprias” , proteínas que ocorrem mais tarde, como hormônios na puberdade etc., devem levar automaticamente a alergias, doenças autoimunes, destruição e morte. Este não é o caso. Corpos “anti” contra vírus que não existem, em princípio também não podem existir. Aqui, a alegação da existência de anticorpos específicos e testes específicos revela-se claramente um crime e, consequentemente, um genocídio.

Comentário: Mas como são detectadas imunoglobulinas que são capazes de se ligar a outras proteínas, existe “corpo. Mas não “anti”. Mas globulinas que primeiro se completam em um ambiente oxidado, ou seja, ácido (via grupos SH reduzidos, que no estado oxidado se combinam para formar grupos dissulfito (-SS-) e, assim, ligam as cadeias de proteínas umas às outras, que é o que primeiro compõe a imunoglobulina completa) e são capazes de ligar proteínas destinadas ao transporte, conversão ou reciclagem.
Comentário de Karl Krafeld: Um anticorpo só pode ser reivindicado se o corpo foi detectado. Alega-se que muitos anticorpos virais podem ser detectados (por exemplo, por testes) sem que o vírus possa ser reivindicado cientificamente. A medicina ortodoxa conhece seu próprio absurdo que habitualmente espalha : “Os anticorpos são formados em doenças infecciosas e a detecção de anticorpos é uma prova de proteção não é a doença”. De acordo com a medicina ortodoxa, a positividade do HIV deve ser a melhor proteção contra a AIDS. Todo teste mede o que o teste mede, só que ninguém sabe exatamente o que o teste mede. Os testes reagem de forma bastante inespecífica às proteínas, de acordo com o princípio de leitura da borra de café: O café Eduscho ou o café Tschibo são melhores para a leitura da borra de café? Em qualquer caso, nenhum teste pode detectar anticorpos se o corpo subjacente nunca foi detectado.



Anticorpos na Realidade/Religião
Fraude de anticorpos da religião da vacinação:

Vacinação = Anticorpo = Proteção = Longa vida e saúde
Demonstrei em detalhes que exactamente essa suposição (crença) não é verdadeira e foi refutada por vários estudos.

A realidade:

Pequenas proteínas são chamadas de globulinas. Essas globulinas são produzidas pelo corpo sempre que as células precisam ser multiplicadas, reparadas ou recém-formadas. Da religião da vacinação, as globulinas são chamadas de anticorpos contra o melhor conhecimento, pois essas proteínas se ligam muito facilmente com outras proteínas e moléculas. Todo o negócio de vacinação é baseado na capacidade das globulinas de se ligarem a outras proteínas e moléculas.

Em 1892, os chamados “anticorpos” de hoje ainda eram “corpos de cura” para Emil von Behring e “esferas mágicas” para Paul Ehrlich. As globulinas formadas por envenenamento por vacinação são reivindicadas como uma proteção contra patógenos livremente inventados [ou aqui], e a combinação de globulinas com proteínas de embriões de galinha ou células artificiais (artefactos de laboratório), que são reivindicadas como componentes de vírus, é reivindicada ser uma proteção vacinal contra doenças (suposta “imunidade”), que por sua vez se afirma ser contra um conhecimento melhor do que causado por patógenos, mas que na realidade não agitam nada. Os anticorpos são a resposta do sangue a proteínas estranhas infiltradas (inoculadas) (24) e substâncias estranhas (25) como na alergia.

O termo “força de defesa” (“imunidade”) teria que ser substituído por um termo como “capacidade de cura”. A capacidade de cura não pode ser produzida por nenhum tipo de vacinação, é uma capacidade de todo o ser (corpo-mente-espírito-unidade) e depende de muitos factores.


Quanto mais “venenoso” o adjuvante, mais forte a “reação do anticorpo”

A medição do título de anticorpos indica apenas envenenamento/dano ao corpo.

O poderoso adjuvante de alumínio da Gardasil.

Os três advogados da Merck que fizeram apresentações foram Dino Sangiamo, Sally Bryan e Christina Gaarder. Jo Lyn Valoff representou Kaiser. “Entre os vacinologistas, é axiomático que a duração da imunidade se correlaciona directamente com a toxicidade do adjuvante; quanto mais tóxico o adjuvante, maior a duração da imunidade.” (26)

Isso está perfeitamente expresso. As toxinas devem aumentar de forma mensurável os níveis sanguíneos de anticorpos para que você possa medir e “provar” algo e o que uma vacina não faria sem esses adjuvantes.

O engano começa onde se pretende que o valor medido seja imunidade, porque na realidade indica apenas o grau de envenenamento, completamente independente da eficácia de uma vacina de acordo com a teoria da fechadura e os contos de fadas da carga viral, antígenos etc.


A descoberta interessante com múltiplas personalidades

No livro “Die geimpfte Nation” – “The Vaccinated Nation” de Andreas Moritz (27), é descrito um facto que também faz as pessoas perderem a fé na doutrina do anticorpo.

Citação sobre a fraude com os anticorpos como prova do suposto funcionamento das vacinas inutilmente prejudiciais:

“Ter produzido anticorpos contra uma determinada substância, por exemplo, contra um alimento ou vacina, não determina realmente se uma doença como uma infecção ou alergia realmente ocorrerá.

Por exemplo, pessoas com transtorno de personalidade múltipla no papel de uma personalidade podem ser altamente alérgicas ao suco de laranja (alérgeno), enquanto o mesmo alérgeno, depois de mudar para uma personalidade diferente, de repente não causa mais uma reação alérgica.

Você também pode apresentar sintomas de diabetes em uma personalidade e estar livre de diabetes alguns minutos depois. Nas mulheres, pode até haver ciclos menstruais completamente diferentes.

Há outro exemplo. Em uma pessoa normal que é alérgica ao pelo de gato, assim que entram em contacto com as proteínas do pelo de gato, a formação de anticorpos e reações inflamatórias são desencadeadas. No entanto, não é incomum que alguém seja alérgico apenas a gatos brancos ou vermelhos, mas não a gatos pretos (ou vice-versa). Geralmente havia uma experiência traumática anterior com um gato branco – por exemplo, sua morte – que estava relacionada à formação de anticorpos.

Assim que a pessoa toca um gato branco, o corpo reproduz a reacção, com base na memória do trauma emocional anterior. Como os gatos pretos não fizeram parte dessa experiência, tocar em gatos pretos não causa reacções alérgicas.

Da mesma forma, alguém que é alérgico ao glúten pode ter problemas ao comer pão, mas não ao comer macarrão, mesmo que contenha glúten”.

Em outras palavras, é impossível saber se a mera presença de anticorpos produzidos pela vacinação realmente protege contra os vírus da caxumba ou do sarampo. Toda a teoria da vacinação é baseada na ideia de que a presença de anticorpos específicos no sangue confere imunidade à doença em questão.



Feli Popescu: fator Rhesus, grupos sanguíneos, plasma sanguíneo, anti-D profilaxia

Feli Popescu escreveu um artigo incrivelmente interessante sobre factor rhesus, grupos sanguíneos, plasma sanguíneo, profilaxia anti-D. Este artigo mostra inconsistências e discrepâncias extremas em como a ciência funciona. Você pode ver no artigo como a tese do anticorpo está sendo derrotada também a esse respeito. Altamente interessante. (28)



Altas taxas de vacinação não podem prevenir surtos de sarampo – anticorpos falharam

Precisamos de “informação, não medo” e “factos, não opiniões de especialistas”.

No link a seguir, a Libertas & Sanitas compilou mais de 50 estudos conhecidos do CDC, Oxford e outros que mostram claramente que a vacinação não protege. Os resultados dos primeiros 10 estudos foram resumidos directamente no PDF. Este é um exemplo prático de que os anticorpos reivindicados não se reflectem a protecção que lhes é atribuída. Como este não é um artigo sobre vacinas, não mencionarei todos os outros estudos, eles farão parte de outro artigo. (29)



Correspondência entre o jornalista científico Hans Tolzin e o Robert Koch Institute (RKI) sobre o tema de anticorpos

A correspondência mostra que o RKI não considera o nível de anticorpos (título) como único critério de protecção.

Assim, o RKI escreve em 01.02.2005: “Nem o RKI nem o STIKO consideram o nível de concentração de AK como o único critério para imunidade e não o definem como tal. Imunidade celular (memória imunológica), que é particularmente importante para termo imunidade, não depende dos títulos de AK detectáveis ​​e, portanto, os títulos de AK muitas vezes servem apenas como “marcadores substitutos” para imunidade.
….
“No entanto, títulos indetectáveis ​​ou baixos de AK não são prova de imunidade inexistente.”

Então a gente vê, não importa se os anticorpos são medidos ou não, não importa, porque de acordo com o RKI existe uma proteção tanto no caso de anticorpos inexistentes quanto no caso de anticorpos existentes. Como sabemos que esses “anticorpos” são criados quando as células são envenenadas/destruídas, não parece ser um vírus alegado que é a causa, mas sim, por exemplo, o envenenamento por uma vacinação e seus adjuvantes nocivos.


À pergunta de Hans Tolzin:

“Se o nível de concentração de anticorpos, como você escreve, não permite uma afirmação confiável sobre a imunidade, como pode ser o único critério para a comprovação do benefício na aprovação da vacina? Não entendo isso. “

Respondeu o RKI: “Caro Sr. Tolzin, respondemos em detalhes. Por motivos de capacidade, não podemos continuar a discussão. Atenciosamente”

Nota: Nenhum comentário adicional é necessário. Na construção de mentiras cheias de alegações não científicas e construção de consensos sem base científica, até o melhor confundidor perde a visão geral e é confrontado com a realidade.

Você pode ler mais desculpas do RKI nesta página. (30)



Correspondência entre Hans Tolzin e Paul Ehrlich Institute (PEI) sobre o tema de anticorpos

Em 13 de maio de 2006, [Hans Tolzin] também apresentou uma solicitação ao Instituto Paul Ehrlich (PEI), a autoridade reguladora alemã de vacinas: imunidade (no sentido de não doença real por um longo período de tempo).”

Resposta do PEI: “Não há uma declaração geral do PEI de que um título de anticorpo específico suficientemente conceituado seja uma garantia de não doença. Esta declaração é indiferenciada e não corresponde a padrões científicos, portanto, não há documentação interna do A Farmacopeia Europeia define com precisão como a eficácia deve ser testada para as várias vacinas.”

Assim, a equipe do PEI não possui nenhuma documentação científica que demonstre que um título alto significa ausência de doença. Em vez disso, a responsabilidade é transferida para o nível da UE. No entanto, os regulamentos aí contidos contêm disposições obrigatórias e facultativas relativas à prova de eficácia, pelo que a referência a eles não diz nada sobre quais critérios o PEI considera vinculativos. Uma pergunta correspondente minha [Hans Tolzin] ainda não foi respondida. Cada pequena informação tem que ser tirada do nariz da autoridade. (31)

Spiess, “Impfkompendium”, 5ª edição 1999, p. 180 (no capítulo sobre coqueluche)
“A conclusão do nível do título medido sobre o estado imunológico em relação à proteção contra a recorrência da doença actualmente não é possível”.

Outro estudo publicado na revista Immunity (Scientific Journal of Science) mostra que os anticorpos não são necessários para combater a doença.

“Nossos resultados contradizem a visão atual de que os anticorpos são absolutamente necessários para sobreviver a infecções com vírus como o VSV (vírus da estomatite vesicular). Eles representam uma função inesperada das células B como guardiãs dos macrófagos para a imunidade antiviral”, disse o Dr. H. Uldrich, da Andrian da Harvard Medical School. “Há necessidade de mais pesquisas sobre o papel de anticorpos e interferons na defesa imunológica contra vírus semelhantes que atacam o sistema nervoso, como raiva, vírus do Nilo Ocidental e encefalite”.

Nota: Embora esses pesquisadores também já suponham que existem vírus causadores de doenças, isso mostra mais uma vez que até entre “crentes” da mesma fé, surgem resultados diferentes e o anticorpo não é de forma alguma sinônimo de protecção.



No HIV, a lógica completa dos anticorpos finalmente acabou

A revista alemã “Spiegel” escreve: “Em pessoas infectadas pelo HIV, no entanto, os cientistas foram capazes de detectar números acima da média de anticorpos contra vários vírus. Isso pode ser explicado pelo facto de que o vírus HI pode enfraquecer o sistema imunológico e tornar as pessoas afetadas mais suscetíveis a novas infecções.” (32)

No HIV, portanto, é mais provável que os anticorpos indiquem que a pessoa está enfraquecida, mesmo que ela tenha níveis extremamente altos de anticorpos. Em princípio, ele deveria ser a pessoa mais protegida. Mas não a conhecemos diferentemente da “pseudo” medicina. Se algo não se encaixa, nós torcemos e giramos até que supostamente encaixe. A tese básica nem sequer é questionada, embora especialmente com o HIV as vozes discordantes fossem extremamente fortes. O tema do HIV é próprio e iria além do escopo deste artigo.

OMS: nenhuma prova de que anticorpos SARS-CoV-2 significam imunidade contra COVID-19 – 18.04.2020

No decorrer da investigação de pacientes com COVID-19 que novamente apresentaram resultados positivos de swab após sobreviver à doença, a OMS apontou em 17 de abril que não havia evidências de que a presença de anticorpos contra SARS-CoV-2 no soro significasse imunidade contra o COVID-19 (CNN 18.04.2020) (33) Caso esse medo se confirme, toda uma série de conceitos que foram comunicados como salvar o rebanho seriam questionados – da imunidade do rebanho à vacina messiânica transfigurada…



A conclusão de toda a situação é assustadora

Obviamente, as autoridades não têm conhecimento de nenhuma evidência científica de proteção por anticorpos. Alternativamente, o “estado da técnica” e a “aceitação geral” de tais parâmetros de medição substitutos (“parâmetros substitutos”) são invocados sem obrigação. Os funcionários das autoridades assumem, portanto, um título de proteção sem nunca terem visto a prova! Este é exatamente o problema que vemos o tempo todo. É sempre assumido sem questionar. Temos o mesmo problema com a alegação do vírus patogênico do sarampo, que nunca foi comprovado (34). Também temos o mesmo problema com o SARS-CoV-1 e o SARS-CoV-2, uma e outra vez a prova está faltando (35), cada vez que se supõe que assim seja. Estamos em um ponto em que devemos finalmente descobrir o desenvolvimento equivocado da medicina e introduzir uma mudança de paradigma.c

vírus causadores de doenças, sem provas

usamos substitutos como anticorpos para protecção, que também não têm base científica e a realidade em nenhum momento confirma essa afirmação.

um teste de DNA (PCR) que não pode ser uma prova de vírus, mas é uma ferramenta de manipulação e nunca foi validado.

・Nossos principais consultores são aqueles que já foram condenados por fraude

Eu poderia continuar a lista, mas você já pode ver os grandes problemas que temos porque desviamos o olhar por muito tempo, porque acreditávamos em tudo sem questionar, porque só queríamos confiar. Hoje a realidade está nos alcançando e temos que agir agora, não depois, caso contrário, essas falsas alegações se tornarão ainda piores e a situação não poderá ser corrigida.

Um apelo a todos: “Escrevam aos políticos, escrevam às autoridades sanitárias e aos institutos científicos responsáveis ​​do vosso país, confrontem-nos com os factos. Não dêem desculpas. As autoridades sabem desta informação há muito tempo, mas não se incomodou ou se atreveu a corrigi-lo.

O que o político alemão Horst Seehofer disse à televisão ZDF sobre o poder do lobby farmacêutico?

Repórter: Isso significa que o lobby era realmente tão forte, o lobby farmacêutico contra a política e você teve que se retirar, por assim dizer?

Seehofer: Sim. Tem sido assim há 30 anos. Até a hora. Que mudanças estruturais significativas também no sentido de uma economia de mercado mais social no serviço de saúde alemão não são possíveis, por causa da resistência dos grupos de lobby. Eu só posso descrever para você que é assim. E que é assim que acontece. E que é muito eficaz.

Repórter: Mas não pode ser que a indústria seja mais forte que a política. Em última análise, deve significar que a política deve dizer: Não, não pode ser assim.

Seehofer: Não posso discordar de você.

Então vemos que estamos lidando com empreendimentos comerciais muito poderosos (lobby), onde nem mesmo os políticos podem/podem tomar suas próprias decisões. Queremos realmente continuar a correr de olhos fechados?


Versão traduzida e reblogada – Original aqui


Referências e Notas:

(1) The Federal Court of Justice destroys the belief in Viruses

(2) Leading Corona researchers admit that they have no scientific proof for the existence of a virus

(3) Entwicklung von Impfstoffen (Development of vaccines)

(4) Plotkin SA. 2010. Clinical and Vaccine Immunology. July 2010, p. 1055–1065

(5) Plotkin SA. 2001. The Pediatric Infectious Disease Journal. 20(1):63–75

(6) Ständige Impfkommission (STIKO) – The Standing Vaccination Commission (STIKO) develops vaccination recommendations for Germany

(7) Heininger U. 2017. Ars medici. – Impfungen und Antikörpertiter (Vaccinations and antibody titers)

(8) Heininger U. 2016. Kinder- und Jugendarzt. S. 28 – Lieber impfen als Titer messen (Inoculate rather than measure titer)

(9) The Robert Koch Institute is the public health institute in Germany.

(10) Arznei Telegram – Die Information für Ärzte und Apotheker (Medicine Telegram – Information for doctors and pharmacists)

(11) FSME- Impfstoff Ticova – Zu spät vom Markt und die Folgen (TBE vaccine Ticova – Too late from the market and the consequences)

(12) Epidemiologischen Bulletin (EpiBull) Nr. 30 / 2012 S.299 (Epidemiological Bulletin (EpiBull) No. 30 / 2012 p.299)

(13) U.Heininger „Handbuch Kinderimpfgung” – Die kompetente Entscheidungshilfe für Eltern 2004 (U.Heininger “Handbook child inoculation” – The competent decision guidance for parents 2004)

(15) see 7

(16) see 8

(17) see 5

(18) see 1

(19) Antworten auf häufig gestellte Fragen zur Schutzimpfung gegen Masern (Answers to frequently asked questions about vaccination against measles)

(20) see 1

(21) see 2

(22) Surrogatendpunkte als Parameter der Nutzenbewertung (Surrogate endpoints as parameters for benefit assessment)

(23)Die Impfluege – Macht Impfen Sinn? (The vaccination lie – Does vaccination make sense?)

(24) Fetale Zellen: Lebende, abgetriebene Babys für Lebend-Impfstoffe! (Fetal cells: Live aborted babies for live vaccines!)

(25) Ekelstoffe und Giftstoffe als Zusätze in den Impfstoffen (Disgusting substances and toxins as additives in the vaccines)

(26) Court Hears Gardasil Science and Moves Forward

(27) Die geimpfte Nation (The vaccinated Nation)

(28) „Rhesus-Faktor“ Analyse der Behauptungen zum Rhesus-Faktor (“Rhesus Factor” Analysis of the Rhesus Factor claims)

(29) Tatsachen zur Masernimpfung  (Facts about measles vaccination )

(30) Antikörpertiter als Wirksamkeitsnachweis bei Impfstoffen (Antibody titers as proof of efficacy for vaccines)  

(31) Source is email from PEI to Hans Tolzin

(32) Blutstropfen verrät Infektionen des ganzen Lebens (Blood drops reveal infections of the whole life)

(33) CNN 04/18/2020 WHO says no evidence antibody tests can determine immunity

(34) see 1

(35) see 2


Outros artigos complementares:

https://farroupim.com/sars-os-primordios-da-lenda/

https://farroupim.com/investigadores-do-coronavirus-admitem-que-nao-tem-provas-cientificas-da-sua-existencia/

https://farroupim.com/1011-estudos-cientificos-provam-o-genocidio-das-vacinas-covid/

https://farroupim.com/ciencia-ficcao/

https://farroupim.com/medicina-do-baphomet/

https://farroupim.com/51406-2/

https://farroupim.com/o-pcr-nao-e-valido/

https://farroupim.com/virus-fantasma-na-procura-do-sars-cov-2/

Farroupim Dom Fuas Roupinho

Acompanhe-nos no Telegram https://t.me/Farroupim_Blog

Nós não somos financiados pela fundação Bill e Melinda Gates ou Harriman, não recebemos nenhuma ajuda da Fundação Rockefeller, Ford, ou da família Oppenheimer, não somos patrocinados por nenhum grupo ou partido político, não conhecemos George Soros, não possuímos tempo ilimitado, temos de trabalhar e ganhar o nosso sustento, a informação tem custos, livros, dados, etc. Também não recebemos nenhuma subvenção do estado.

Por favor ajude.

Bitcoin: bc1qhft2res6nwl74kflm95htds2tg7dtw8mcmve70