Eu sou um pobre diabo nascido numa aldeia de Portugal, igual a tantas outras.

Não conheço esses meandros das elites eruditas, os centros da alta finança, não fui criado no hábito de conviver com donos do poder, os meus conhecidos eram o Padeiro da Aldeia, o Silvério das Ovelhas, o Ti Manel das Bicicletas, o Zé dos Anzóis, o Sr. Alberto da Drogaria, o Luís da Cerâmica, é assim por diante.

A luz lá em casa não ficava acesa, era preciso desligar até mesmo quando era precisa, pois vinha aí o cobrador da luz, a panela dos rojões não era para comer toda na mesma semana, senão depois comias só batatas com o unto.

Passei a vida inteira a ver os outros subir na vida, e eu ia ficando cada vez com os dias mais curtos e mais pobre, o meu carro é de 1993, enquanto a malta compra grandes carroças, grandes apartamentos com vistas longas, e currais estreitos, continuo a acreditar que a pobreza quer largueza.

Vós que cagais o cavalo ides ter que adquirir as carroças antigas, soltar as ferraduras ilustradas e andar, quiçá descalços, a vaidade é um pau de dois bicos.

Eu leio e fico impressionado com tanta genialidade e sabedoria, de alguns textículos que vamos vendo dos nossos intelectuais, a nata lusitana, e não é o pastel, eles são os hedge funds, alterações climáticas causados pelos grilos do Alaska, técnicos especialistas de pricing, de casos do covid.

Fodasse é demais para mim e tudo regado a zoom com uma estante de livros lá trás, que se calhar nunca leram, ou então só sabem comprar livros do socialismo, impressiona tanta sabedoria, fardos de palha de ideias para saber o que fazer com o dinheiro dos outros, aos impostos cobrados aos outros, é muita inteligência desperdiçada em Portugal, podiam estar no caralho, a gerir reputadas empresas, mas não, estão pendurados no estado, temos nós que os sustentar porque tenho a mais firme certeza, nem uma barraca de farturas saberiam empreender. Que desperdício.

Eu raios me partam se não vou começar a fazer zooms também, em vez de livros, meto um quintal com a pocilga ao ar livre, com galinhas e cabras, umas cuecas no estendal, e a carroça de 93, cada um mostra o que tem.

No entanto, quando se faz uma pergunta há 20 respostas, todas muito complexas atadas com fio carreto de cozer os leitões…sai aquele zurrar marxista a saber a fel, tudo muito erudito.

Esta gente da qual eu me sinto um piolho perto deles, faz-me lembrar a história do empresário de futebol o José Veiga que nestes novos tempos passaria mal com os barbeiros, com os seus Fundos de investimento, aprovados na certeza pelos mais sábios seres à face da terra e além das galáxias, de certeza formados nas melhores coutadas da sabedoria, Havard, Oxford, com exóticos MBAs, especializações especializadas, é como um sapo num relicário.

E vai tudo parar à televisão. Os especialistas dos quadrados ou os quadrados ao cubo.
O escritório do José Veiga fechado há meses, as cartas não cabiam na caixa de correio, o meliante fugido em parte incerta e as acções em Paris a subir a custar 3€, com negociação, pois claro, tudo muito erudito e bem regulamentado pelas bolsas e pelos Centenos desta vida, em Havard formam-se os melhores, temos de acreditar, os sábios quadrados ao cubo.


A pergunta da falta de pão, sai a resposta, “comam brioches.”

A crise devia ser paga pela burguesia do teletrabalho”. A Srª Doutora quer arreios? Pois que os pague? Alguém a proibiu de entregar o seu dinheiro a um desfavorecido, as universidades não estiveram em teletrabalho? Mas que putaria vem a ser esta? Então a burguesia do teletrabalho sem perdas de rendimento não está toda no público?
Quanto acha que deve ser reduzido o seu salário para entregar aos donos dos restaurantes, bares, aos desempregados.

Quanto a que cada um corte o seu cabelo tenho de ser honesto, o seu ar de peralta com uma tijela na cabeça tinha de ter uma explicação óbvia. Gracias pelo esclarecimento.

Rapaziada do costume a largar fragolas andai daqui sem fazer pó, os pobres como eu que sabem o que a vida honesta custa, não se impressionam com nomes pomposos nem com adornadas carroças.

Eu trouxe à lembrança com provas sem mácula que antes mesmo da pandemia ter sido declarada já havia projectos megalómanos para a vacina covidesca.
A par de quem tenta perceber mais além, tenho trocado em outras palataformas centenas ou mesmo milhares de vídeos com os efeitos secundários das vacinas, provas contundentes de que as vacinas matam e têm maior letalidade até maior que a suposta “pandemia”, hoje sabemos que estão a catalogar a gripe como covid, isto assumindo que existiu um coronavírus no inverno passado, o que duvido que fosse para o todo o globo.

É óbvio que pessoas sem problemas mentais, sabem que a gripe nunca foi eliminada, menos os eruditos da televisão com os seus algoritmos e previsões, que para se apurar causas de morte teria forçosamente de haver autópsias, caso contrário teremos de jogar a medicina toda no lixo e contratar videntes, bruxos, curandeiros e os mesmos que fazem textículos por encomenda.
A notória e incessante vontade em catalogar covid à gripe, em catalogar como causa de morte pessoas atropeladas pelo alfa pendular, com doenças oncológicas gravíssimas, em ampliar e utilizar a época da gripe para lançar o pânico, em utilizar testes PCR que não são para aferir doenças, foram concebidos para outras aplicações, que sem sintomas um Cristiano Ronaldo não está constipado, nem ninguém sem sintomas é um elemento perigoso espalhador de epidemias, que todos esses jogadores de alta competição, pessoas que estão hiper-saudáveis pois o corpo é submetido a esforço máximo, e que consequentemente todos aqueles casos apresentados na imprensa são uma fraude, um crime contra a humanidade.

Em uma das minhas incursões pelas redes sociais dou com uma rapaz apoiante do bloco e da Marisa, um partido que promove a troca de sexo às crianças, uma verdadeira epidemia alimentada a testosterona e doenças nas crianças, seguindo o dinheiro vemos que as farmacêuticas são as grandes beneficiam com esta mudança de paradigma.

Já tenho livros bem documentados a denunciar o problema com as adolescentes que se deixaram enredar por estas políticas, o acto de mutilar tem necessidade de dezenas de antibióticos, o corpo rejeita a mutilação e a combate como infecção, para tentar implantar escamas de peixe em vaginas artificiais o tratamento força a toma de antibióticos diários, em pouco tempo há falência de rins, entre outras doenças causadas pelo excesso de medicação, um trans tem uma esperança média de vida de 35 anos.

Conclusão de certos autores, é que são as televisões e as elites que manipulam as crianças, nomeadamente a televisão, os tais quadrados de que falo acima.

Os elementos destas ideologia são pessoas menos instruídas, por muito títulos que lhes atribuam, são os promotores de várias parafilias, perversão, vão desde a zoofilia à pederastia, são os anormais da sociedade a destruir a sociedade de boina e colete às flores.

A única diferença é que antigamente eram internados e não tinham palco, hoje como as farmacêuticas e as grandes fundações perceberam uma maneira de modificar e influenciar a política para obter lucro, temos esta tropa com um bigode do tempo do barroco a emitir opiniões.
Enchem a boca a falar de burguesia e dos capitalistas e são financiados pelas maiores fundações do globo, pelos Rockefeller, Gates, Ford, Soros, os mesmos professores de esquerda que tentam disseminar estas ideias, não são confrontado com a origem do dinheiro para impor estas pautas nas universidades, nomeadamente a farsa do aquecimento global antropogénico, covid como pandemia, a matança das novas vacinas, ideologia do género, racismo.
A aparência bloquista, uma imagem de marca dos tempos modernos, ora é com tijelas, ora é com bigodes copiados aos quadros ponados a óleo da revolução francesa, por vezes há caveiras, piolhos, rastas, boinas à che, charutos grossos e poses hibridas. Tudo parece um cenário para um teatro, mas não, são os novos activistas, uma nova profissão adequada a quem tem alergias ao trabalho.

Todas as pessoas informadas sabem que estas ideias não são espontâneas ou uma visão dos intelectuais que se instalaram nas universidades, não raras vezes estes crimes ideológicos são promovidos por políticos corrompidos, com trocas de favores e cargos, utilizando os impostos para beneficiar as agendas das fundações privadas.

Só é possível com vastas doses hipocrisia, a juntar à lobotomização da sociedade, há uns anos andavam mal vestidos, cheiravam mal, eram tidos como bêbados, causavam sentimentos de pesar.
Hoje a situação alterou-se, a albarda dá credibilidade ao burro, os problemas mentais ficaram escondidos quando apresentam o lenço de seda, o pin do grande reset.

A maioria não têm hábitos de disciplina, embora vistam roupas caras por vezes o sarro está acumulado, ganham sarna, há um elemento do bloco que foi ao hospital em estado extremamente grave com uma carraça nas virilhas, a enfermeira esteve horas a lavar e a desinfectar, com as ideologias do comunismo primitivo ele achava que se podia livrar de fazer a sua higiene, ganham chatos, uns parasitas muito pequenos nos pêlos púbicos, algo que pensava sinceramente irradicado e que era usual nas casas de alterne há muitos anos, onde os hábitos de higiene eram deficientes, os hábitos promíscuos têm consequências, suspeita-se e há médicos a denunciar as práticas com animais, há grupos que partilham estas ideias políticas a pedir liberalização de sexo com animais, os apoiantes do PAN têm um perfil semelhante, muitos deles podem não chegar a ter intimidade com animais, mas partilham o mesmo espaço, dormem e partilham cantina, os animais estão cheios de parasitas, muito piores que os coronavírus, ou os influenzas.
É como nas alterações climáticas que apostando nas energias ditas de verdes, fez descer a temperatura dentro das casas para 18 negativos, é como o evento das carraças, um choque de realidade.

Estas pessoas com problemas são a maioria dos partidos de esquerda, são os que vemos muito indignados com o Trump e o Bolsonaro, felizmente ainda são minorias, gente que se afasta da realidade, a maioria aderiu a partidos como o bloco mas também os há em quantidade no PS, PSD, CDS, PAN, fazem retiros New Age para se drogarem, e tentarem debelar os problemas mentais de que padecem, fazem retiros com gurus New Age para se drogarem com a famosa Ayahuasca, no PAN há problemas de solidão que os levaram a substituir o seu semelhante por animais para se sentirem integrados socialmente. Também os há no partido comunista português, mas em menor escala, em Portugal o PC cristalizou, ou então não se quis reformar e ficou à margem deste dinheiro fresco global que obriga a promover causas climáticas e a explorar ao máximo as bioideologias.

Outro dia um amigo contava-me a problemática do braile na linguagem de inclusão. Já pensaram bem que essas pessoas que pedem e exigem linguagem inclusiva, como a Srª Doutora da NOVA seguida dos rasquido de primitivos que partilham as carraças e as aparências de peraltas com tijeladas, bigodes do tempo do barroco, choquelhas, sinos, artefactos exóticos, ferros fundidos e por fundir, arganéis, brincos, anéis, gadelhas e por vezes um cheiro nauseabundo típico de quem tem alergia ao banho.
Já pensaram bem que essas pessoas quando impõem as suas taras, nomeadamente a linguagem inclusive estão a obrigar pessoas com limitações a aprender outra linguagem, a dificultar a inclusão? Então não era para incluir, ou seria para excluir?

Será que quando acusam de racismo são eles os racistas, quando dizem ter sentimentos nobres e proibiram os próprios pais de saírem de casa, os condenaram a viver mortos? uando falam do humanismo da eutanásia têm sede de matar, quando falam em direitos da mulher, estão sedentos do sangue de uma bebé?

Que fizeram estes batráquios à embriologia e ao pai da genética que afirmam haver vida desde a concepção? Rasgaram os livros todos assim como fizeram o mesmo a 100 anos de epidemiologia?

Os batráquios pensam quase todos em bando e da mesma maneira, assim como vestem, óculos de massa à pederasta da moda, a “pedófilia é cultural”, ” o estado deve ser o dono das crianças e não os pais” tudo regado a bigodes exóticos, cachecóis à varoufakis, motas com caveiras, sempre ateus ou bastante alérgicos à luz, Jonh Lennox um dos maiores matemáticos da actualidade à provocação de Stephen Hawking:

“A religião é um conto de fadas para pessoas com medo do escuro” (Stephen Hawking)

“O ateísmo é um conto de fadas para pessoas com medo da luz” (John Lennox)

Como é que isto se propaga?

As fundações vertem dinheiro, o político acede a vender as ideias ao povo e a aplicar as mesmas, o intelectual acede a alguns recursos, bolsas, empregos, o artista cultural promove a troco de favores e aí nasce a cascata.

O técnico de marketing ouve da vedeta da televisão o chavão pré-pago, o técnico de de marketing precisa de associar à Cristina Ferreira dos perfumes porque está no mesmo ramo, vende cremes de beleza, o chavão diz que é preciso trocar de sexo ás crianças e que tudo o mais é uma fobia qualquer, que as crianças precisam de aprender sexo e que rapazes devem ter bonecas e raparigas devem ter carros, o técnico faz logo uma sentença toda ela muito humanista, com as melhores intenções e associa-se à hastag do momento, ele não, ela não, ele sim, os rafeiros dos pobres que paguem a crise, os gays ao poder, sexo anal salva do covid, e assim temos a sociedade pós-moderna, progressista, a viver do chavão dos peraltas que cortam o cabelo com uma tijela na cabeça, e dispensam as depiladoras, os pêlos do sovaco são para afastar o patriarcado.


Farroupim Dom Fuas Roupinho