A varíola era a doença mais temida do século XVIII. De acordo com o que nos é dito, o povo da Europa na época estava indefeso contra a varíola, até que um jovem médico chamado Edward Jenner observou que as leiteiras que haviam contraído “varíola” estavam imunes à doença. Isso levou Jenner a desenvolver uma vacina que foi creditada por acabar com a epidemia e, eventualmente, erradicar completamente a varíola. O conto romantizado de Jenner, a leiteira, e a descoberta da vacinação entrou para os livros de história como um dos grandes triunfos da medicina moderna.

Basta uma rápida pesquisa por vaŕíola nos motores de busca e constatamos a propaganda médica, um grande pacote de mentiras.

Hoje, o mainstream médico usa o exemplo da varíola como meio de promover a segurança e eficácia da vacinação contra outras doenças “infecciosas”. No entanto, a verdade é que a história da varíola é muito mais complexa do que o conto de fadas acima ensinado nas escolas. A verdadeira história da vacina de Jenner não é de gênio científico ou triunfo médico, mas a história de como a prática arcaica de introduzir substâncias tóxicas na corrente sanguínea como meio de “curar” doenças foi adoptada na tradição médica convencional.


A história da varíola leva muitas pessoas a acreditar que foi Edward Jenner quem “descobriu” o conceito de imunidade e passou a inventar a vacinação. De facto, o conceito de obter imunidade a uma doença após a exposição a ela foi formulado pela primeira vez pelos antigos gregos quando Tucídides observou que as pessoas que sobreviveram à praga de Atenas estavam protegidas da reinfecção[1].

Essa observação inicial da imunidade se desenvolveu na ideia de que uma pessoa poderia ser exposta a uma forma leve de uma doença para obter protecção contra uma forma mais grave. Isso resultou na prática da “inoculação”, precursora da vacinação, que foi empregada em muitas partes do mundo, décadas antes de Jenner começar a formular suas ideias sobre a varíola.

Além disso, embora o trabalho de Jenner seja considerado a base da imunologia, ele não foi o primeiro a sugerir que a infecção com varíola bovina produzia imunidade contra a varíola, nem foi o primeiro a realizar a inoculação de varíola bovina para esse fim [2].

Evidências sugerem que a inoculação era praticada em partes da África, Índia e China muito antes do século XVIII. Na década de 1670, a inoculação foi introduzida no império turco por comerciantes circassianos e cerca de 40-50 anos depois a prática chegou à Europa por meio de viajantes que chegavam de Istambul, quase um século antes da vacina contra a varíola de Jenner[3].

A “inoculação” era uma prática bárbara que envolvia retirar matéria (muitas vezes pus) das feridas de uma pessoa que sofria da doença e introduzi-la na corrente sanguínea de uma pessoa saudável através de cortes na pele. Nessa época, a medicina estava em sua infância e a maioria das “curas” eram baseadas em tradições ou superstições locais. De facto, de acordo com William White em seu livro de 1885 The Story of the Great Delusion, “Grande parte da medicina era uma combinação de absurdo com maldade”[4].

O princípio subjacente à inoculação é notavelmente semelhante ao princípio homeopático da isopatia (curar uma doença com os produtos dessa doença), conceito também incorporado na “signa naturae” de Paracelso, o grande filósofo e químico do renascimento alemão que viveu durante os séculos XV e XVI. E, de acordo com algumas fontes, até ele obteve suas ideias de ensinamentos esotéricos muito anteriores, provenientes dos druidas e videntes da antiga Grã-Bretanha e Alemanha[5].

O resto deste artigo é uma exploração da verdadeira história em torno de Edward Jenner, vacinação e a doença conhecida como “varíola”. E, como veremos, é uma história bem diferente daquela que nos foi contada.

QUEM FOI EDWARD JENNER?
Edward Jenner era um médico britânico nascido em 1749 em uma vila chamada Berkeley em Gloucestershire. Ele frequentou a escola primária em Cirencester e, aos 16 anos, foi aprendiz do Sr. Ludlow, um cirurgião que operava perto de Bristol[6].

Curiosamente, embora referido como um ‘médico’, Jenner não passou nos exames médicos necessários para ganhar tal título. Na verdade, ele comprou seu diploma de médico, embora isso não fosse incomum na época. E embora ele fosse um membro da Royal Society, isso não se deveu ao seu trabalho na área médica, mas sim ao seu estudo sobre os cucos[7].Imagem de capa.

A maioria das pessoas não sabe que a pesquisa de Jenner sobre a varíola foi feita com evidências contraditórias e alegações infundadas. Por exemplo, no início de suas investigações, ele citou casos em que a varíola “às vezes” dava imunidade contra a varíola bovina e outros casos em que as pessoas eram repetidamente infectadas com varíola bovina. Ele então prometeu fornecer um grande número de casos mostrando o efeito protector da varíola bovina, mas só conseguiu produzir 16, a maioria dos quais ele não conseguiu descrever com detalhes significativos[8].

Jenner originalmente afirmou que a origem da “varíola” residia nos calcanhares danificados dos cavalos. Ele achava que os ordenhadores, tendo previamente curado as feridas dos cavalos aflitos, levou a doença às vacas. Jenner manteve essa crença por mais de 10 anos e acabou publicando um artigo detalhando sua teoria da “gordura de cavalo”. No entanto, quando foi mal recebido, ele voltou à sua teoria da varíola bovina[9].

Perturbadoramente, durante este período inicial da pesquisa de Jenner, ele experimentou em seu filho inválido inoculando-o com “varíola”, embora nunca tenha seguido essa linha de investigação[10]. Está bem documentado que Jenner realizou vários “experimentos”, não apenas em seu filho, mas em outras crianças da vizinhança que não tinham conhecimento dos riscos envolvidos. Hoje, os experimentos de Jenners são considerados uma violação grosseira da ética médica.

Em 14 de maio de 1796, Jenner inoculou um menino de oito anos chamado James Phipps com matéria retirada de uma ferida na mão de Sarah Nelmes, uma leiteira que se acreditava estar infectada com varíola bovina. A matéria da doença “foi inserida no braço por meio de duas incisões superficiais, mal penetrando na cútis, cada uma com cerca de meia polegada de comprimento”[11]. De acordo com algumas fontes, e em contraste com a narrativa dominante, o jovem Phipps sucumbiu mais tarde a um ataque de varíola na “forma confluente”[12].

Durante outro experimento perturbador de Jenner, um dos meninos contraiu uma febre terrível e foi “incapaz de receber novas inoculações”[13]. Quem sabe quantas outras crianças inocentes foram envenenadas ou até morreram como resultado desses experimentos horrendos.

Em 1798, Jenner publicou a primeira edição de seu Inquiry detalhando os resultados de seus experimentos com varíola bovina, juntamente com suas especulações sobre diferentes aspectos da vacinação e da varíola. No entanto, o trabalho de Jenner carecia de qualquer evidência para sugerir que sua vacina pudesse proteger contra a varíola, facto destacado por George Dock em seu livro de 1902, The Works of Edward Jenner and Their Value in the Modern Study of Smallpox:

“No conjunto, o Inquérito não parece uma obra destinada a causar uma revolução terapêutica. Lendo-o em nossa luz actual, deve-se ficar impressionado com a incompletude de muitas partes da evidência.”[14]

De facto, como Herbert Shelton confirma em seu livro Natural Hygiene: Man’s Pristine Way of Life,

“Nem Jenner, nem nenhum de seus sucessores reapresentaram as reivindicações para esta vacina, juntamente com provas, à Royal Society…”[15]

Certificate of the Freedom of the City of London awarded to Jenner, 1803

Embora a vacina de Jenner não tivesse nenhuma evidência de segurança ou eficácia, ela foi febrilmente promovida para as massas. A Royal Jennerian Society for the Extirpation of Small-pox até preparou um aviso para ser dado pelos clérigos no baptismo de uma criança. O aviso dizia: “Como você valoriza a vida de seu bebê e a segurança de sua vizinhança, você imediatamente se beneficiará das vantagens oferecidas [na vacinação]”[16].

O lançamento da vacina de Jenner foi referido pelos principais estudiosos como um “experimento generalizado”, o que sem dúvida foi. No entanto, Jenner continuou a promover sua invenção e, em 1801, publicou um panfleto sobre a Origem da Inoculação de Vacinas no qual fazia referência a experimentos que havia realizado após a publicação do Inquérito em 1798. No entanto, os experimentos mencionados não estão em lugar algum, indicando que Jenner os inventou ou propositalmente optou por não publicá-los na íntegra[17].

Jenner não apenas mentiu sobre a segurança de sua vacina, mas insistiu que ela produzia imunidade vitalícia à varíola, outra alegação para a qual ele não tinha evidências. Como é explicado em The Works of Edward Jenner,

“Uma frase favorita de Jenner e seus discípulos sobre a questão da permanência era que a dúvida era refutada por “volumes de evidências e uma nuvem de testemunhas”. De facto, não existiam tais volumes, e as testemunhas eram incompetentes porque seu período de observação era muito curto.”[18]

“Edward Jenner advising a farmer to vaccinate his family”.

Além disso, as observações de Jenner de ‘varíola’ podem ter sido grosseiramente mal interpretadas, pois os médicos, mais tarde, descobriram que as pústulas de varíola eram encontradas apenas nos úberes de vacas ordenhadas por mãos humanas imundas e que as vacas que vagavam livremente nos pastos não eram afectadas pela doença . Esta observação por si só torna a tese de Jenner completamente nula e sem efeito.

É irônico e trágico que o “pai da medicina preventiva moderna” tenha feito afirmações baseadas em pesquisas que não cumpriram os padrões científicos adequados. Uma caracterização interessante de Edward Jenner e seu trabalho é oferecida pelo médico real, Lord Horder, que creditou a Jenner a criação das bases para a introdução da eugenia, um movimento pseudocientífico fundado 50 anos depois por Sir Francis Galton, outro inglês[20].

O segundo mito mais difundido sobre a varíola é que a doença foi totalmente erradicada devido à vacinação. Na realidade, nada poderia estar mais longe da verdade.

AS EVIDÊNCIAS
Factos importantes são muitas vezes ignorados da narrativa pelaa imprensa sobre a varíola e um deles é a enorme resistência à vacina de Jenner no Reino Unido e no exterior. Com o passar do tempo, ficou evidente que a vacina de Jenner não foi responsável pelo declínio nos casos de varíola, apesar da vacinação generalizada na Inglaterra após a primeira publicação de Jenner, a varíola reapareceu em 1825. Como Doch relata em The Works of Edward Jenner, “Em 1825, a varíola era quase tão prevalente em Londres quanto em qualquer uma das três grandes epidemias do século XVIII, e em muitas partes da Europa era igualmente grave.”

Mais tarde, em 1853, a vacinação tornou-se obrigatória no Reino Unido, uma lei que foi aplicada com mais rigor em 1867 e novamente em 1871. No entanto, depois de 1853, cada epidemia de varíola era pior do que a anterior. Durante a primeira epidemia na Inglaterra e no País de Gales, entre 1857 e 1859, 14.244 pessoas morreram; durante a segunda epidemia de 1863 a 1865, 20.059 pessoas morreram e durante a terceira epidemia de 1870-1872, 44.840 pessoas morreram[22].

Mais surpreendente é que a grande maioria dos que contraíram varíola já estava vacinada. De acordo com o relatório anual de 1887 compilado pelo Metropolitan Asylums Board, de 53.000 pessoas que contraíram varíola, 41.000 foram admitidos como tendo ocorrido naqueles previamente vacinados. Além disso, em Sheffield, cidade que atingiu quase 100% de vacinados, 5.851 casos de varíola de um total de 7.001 ocorreram em pessoas vacinadas[23].

Tendências semelhantes também foram registradas em outros países da Europa. Por exemplo, durante os anos de 1863-1865, a varíola atacou a Alta Baviera na Alemanha causando 1.346 casos da doença, apesar da área ter 90% de cobertura vacinal[24]. E os relatos históricos continuam, mostrando claramente que a vacinação não protegeu contra a varíola e, portanto, não poderia ter sido responsável por a ter erradicado.

A vacina não era apenas ineficaz na prevenção da infecção por varíola, mas era altamente tóxica. No livro de William Young, Killed by Vaccination, impresso em Londres em 1886, ele documenta muitos casos em que pessoas morreram como resultado directo da vacina de Jenner. Os relatórios anuais de óbitos do governo da época mostram que entre 1881 e 1883 o número de crianças que morreram como resultado directo da injecção foi próximo a 200. Young, no entanto, afirma que esse número foi muito maior e estima que para cada 1 morto ali foram 100 indirectamente mortos e até 1.000 gravemente feridos[25].

Incrivelmente, já naquela época, havia truques e enganos envolvidos na notificação de mortes relacionadas à vacina. De acordo com Young, os médicos foram instruídos a falsificar atestados de óbito para obscurecer o verdadeiro perigo da vacina e todas as investigações independentes sobre a segurança da vacina foram “cuidadosamente suprimidas”[26]. Podemos ter certeza, então, que nada mudou de lá para cá em relação à negação e supressão do perigo da vacina.

Talvez a passagem mais poderosa da tese de Young apareça no início onde ele afirma corretamente que:

“Nenhuma teoria racional jamais foi ou pode ser avançada para apoiar a suposição ridícula de que a vacinação protege da varíola. Uma coisa só é certa; milhares de crianças são mortas anualmente pela Vacinação, ou seus resultados posteriores, e essas vítimas da ignorância médica e da insensatez são as únicas pessoas de quem se pode afirmar com verdade que a vacinação as protegeu da varíola.”[27]

O livro de Young inclui vários testemunhos semelhantes. Um deles é escrito por um “Reverendo Bird” de Leeds que, como homem do clero, teria sido pressionado a promover a vacina e provavelmente o fez até observar seus efeitos. Em 1885, ele admitiu que, depois de testemunhar tantos casos de sofrimento doloroso causado pela injecção de Jenner, “nenhum poder na terra” o obrigaria a vacinar seus próprios filhos[28].

Durante a guerra civil americana entre 1861 e 1865, milhares de soldados foram vacinados contra a varíola. Os efeitos adversos da vacina foram tão terríveis e os eventos adversos tão numerosos que uma investigação especial foi iniciada envolvendo vários médicos. Isso causou uma crescente desconfiança na vacinação entre soldados e cidadãos[29]. Alexander Wilder, MD, apoia esta observação em seu livro de 1899, The Fallacy of Vaccination, no qual ele afirma que, “Ver-se-á por observação cuidadosa que sempre que um vacinador ou corpo de vacinadores inicia uma cruzada de vacinação, segue-se muito geralmente um número de mortes por erisipela e outras doenças que foram induzidas pela operação, e acompanhadas pelo sofrimento da doença.”[30]

Com o passar do tempo, a oposição à vacina contra a varíola cresceu. Isso levou à criação de um movimento antivacinação na Grã-Bretanha em 1866, que recebeu apoio de médicos e cientistas influentes, incluindo o Dr. Edgar Crookshank, professor de patologia e bacteriologia do King’s College. Outros apoiadores proeminentes do movimento incluíam o cientista britânico Alfred Russell Wallace e o famoso dramaturgo e activista político irlandês, George Bernard Shaw.

Em um artigo para o Irish Times em 1944, Shaw escreveu o seguinte:

“Não há nada de excêntrico em minha objeção à operação perigosa e grosseiramente não científica chamada vacinação. Durante minha longa vida, sua implacável aplicação em toda a Europa terminou em duas das piores epidemias de varíola já registradas, nossas anteriormente mais temidas epidemias de cólera e tifo foram encerradas pelo saneamento […] vacinar seus filhos, nem a lei agora os obriga a isso. O resultado não é como os Jennerianos profetizaram, o extermínio da raça humana pela varíola: pelo contrário, mais pessoas são mortas pela vacinação do que pela varíola.”[31]

Observe que Shaw destaca a importância do saneamento para acabar com as epidemias de cólera e tifo, um factor que também foi fundamental no combate à varíola. O que as pessoas muitas vezes não consideram é que, na época das epidemias de varíola na Europa, os sistemas sanitários estavam ausentes em muitas grandes cidades e os sistemas de drenagem eram extremamente precários. Isso era especialmente verdade em Londres, onde a varíola era abundante. No entanto, a taxa de incidência de varíola em Londres foi extrapolada para o resto da Inglaterra sob a suposição de que era a mesma em todos os lugares[32].

Uma combinação de má orientação médica e uma má compreensão da saúde levou a maioria dos médicos a não reconhecer que eram as terríveis condições de vida da época que tinham o efeito mais significativo sobre a saúde da população. Curiosamente, foram apenas os “antivacinacionistas” que puderam ver esta verdade dolorosamente óbvia, levando-os a concluir que foram as melhores condições higiênicas e melhor nutrição que levaram à redução dos casos de varíola[33]. De facto, muitos estudiosos modernos notaram a relação entre a varíola e a fome, acreditando que a desnutrição generalizada foi um factor chave no início da epidemia[34].

Embora as autoridades tenham tentado creditar à vacinação o número decrescente de mortes por varíola, novamente foram os “antivacinacionistas” que apontaram que tal conexão não poderia ser comprovada devido à falta de evidências estatísticas, facto que autoridades e os ardentes defensores da vacinação não podiam negar[35]. O experiente estatístico alemão, George Friedrich Kolb, foi um desses especialistas que apontou isso em sua declaração de 1887, Zur Impffrage. Unzulanglichkeit der bisherigen Ermittlungen und Verlangen nachAufjebung des Impfzwange (Sobre Vacinação: A Inadequação das Investigações Anteriores e um Chamado para Suspender a Vacinação Obrigatória)[36].

Na verdade, as pessoas não apenas questionaram a falta de evidências estatísticas conectando a vacinação com o declínio nas mortes por varíola, mas também apontaram a completa falta de investigações estatísticas sobre a utilidade da mistura de Jenner. Não eram os antivacinacionistas apenas movendo os postes científicos para se adequarem à sua própria agenda, isso era um facto que nem os funcionários públicos nem os proponentes da vacinação podiam ignorar[37].

À luz das citações e estatísticas citadas anteriormente, surge uma pergunta óbvia – por que uma vacina tão comprovadamente ineficaz e perigosa foi tão amplamente divulgada e promovida pelos governos e médicos da época? Como se vê, a resposta a esta pergunta é multifacetada. Em primeiro lugar, temos que considerar que não existia “cura” para a varíola na época e, como tal, qualquer promessa de um tratamento bem-sucedido despertou imediatamente o interesse de governos e autoridades de saúde. No entanto, sem surpresa, a decisão de endossar a vacina de Jenner não foi tomada porque eles genuinamente se importavam com a saúde das pessoas, em vez disso, foi um movimento destinado a aumentar o poder militar e econômico do estado. Como Heurkamp (1985) explica:

“O facto de a maioria dos governos encorajar a vacina deve ser visto à luz de suas políticas de população e dos interesses que estão por trás delas. Por esta altura, na Alemanha, bem como em outros países europeus, existia um regime absolutista que visava fortalecer a autoridade central às custas dos antigos poderes dos estamentos e maximizar todos os recursos disponíveis para aumentar seu poder militar e financeiro. .”[38]

Outro grupo cujos interesses adquiridos desempenharam um papel importante no lançamento da vacina de Jenner foram os médicos. Na época, os médicos formados nas universidades eram poucos em número e totalmente dependentes das classes superiores da sociedade a quem serviam. E porque os médicos não eram reconhecidos pelas autoridades públicas como especialistas em todas as questões médicas, os médicos eram obrigados a se esforçar para manter seus poucos clientes de classe alta felizes. Além disso, o conhecimento médico que os médicos da época possuíam era limitado e não ultrapassava o que poderia ser adquirido pelo leigo. Por causa disso, o mercado de serviços médicos profissionais era pequeno e a renda de um médico muitas vezes dependia de apenas um punhado de pacientes.

Quando a vacina de Jenner foi lançada, apresentou uma oportunidade para os médicos aumentarem seu prestígio e influência em questões de saúde pública e atrair novos pacientes. Além disso, as taxas de vacinação forneceram aos médicos um meio simples de aumentar sua renda[39].

VARÍOLA E CIÊNCIA MODERNA
Agora vale a pena discutir certos aspectos da narrativa da varíola no contexto de pesquisas científicas mais recentes. A primeira é a noção de que a varíola era uma doença “altamente contagiosa” e extremamente mortal. Apesar de muitas fontes afirmarem que este é o caso, a sabedoria actual sustenta que a varíola não era uma doença altamente infecciosa[40][41].

A segunda é a noção de que a varíola foi “erradicada”, uma afirmação amplamente promovida pelas autoridades de saúde. Por exemplo, no site do CDC, eles afirmam que:

“Em 1980, a Assembleia Mundial da Saúde declarou a varíola erradicada (eliminada), e nenhum caso de varíola natural ocorreu desde então.”[42]

Em contraste com essa afirmação, a literatura médica indica que a infecção pelo vírus vaccinia afecta um número crescente de pessoas a cada ano. Por exemplo, em um artigo intitulado Surto de infecção pelo vírus zoonótico grave da vacina, sudeste do Brasil, os pesquisadores observam que:

“Em 2010, um evento isolado do vírus vaccinia causou um surto atipicamente grave que afectou humanos e bovinos no Brasil. Dos 26 trabalhadores rurais afectados, 12 foram hospitalizados. Nossos dados levantam questões sobre os factores de risco relacionados ao aumento do número e gravidade das infecções pelo vírus vaccinia.”[43]

Então, qual é a diferença entre a infecção por vaccinia e a varíola? Segundo as autoridades, a varíola é causada pelo vírus da varíola, enquanto vaccinia se refere a um vírus relacionado usado na vacina contra a varíola. Diz-se que ambos os vírus são membros da família “Poxviridae”, que também inclui outras variantes zoonóticas, como “monkeypox” e “buffalopox”. De acordo com os especialistas, “O amplamente utilizado VACV [vírus vaccinia] ‘escapou para a natureza’ e variantes do VACV agora são globalmente endêmicas e são conhecidas como vírus buffalopox (BPXV)”[44].

De facto, os cientistas reconhecem que o “buffalopox” continua sendo uma ameaça para os seres humanos, especialmente na Índia[45]. Quanto à varíola, a página de factos no site do CDC afirma que:

“O primeiro caso humano de varíola foi registrado em 1970 na República Democrática do Congo, durante um período de esforços intensificados para eliminar a varíola. Desde então, a varíola dos macacos foi relatada em humanos em outros países da África Central e Ocidental.”[46]

Incrivelmente, casos de “varicela” continuam a surgir em partes da África e, mais recentemente, nos EUA. Outros trabalhos de investigação mencionam o facto de a varíola bovina também infectar frequentemente pessoas na Europa[47].

Vale a pena notar que todos esses “poxvírus” causam sintomas praticamente idênticos aos da varíola. Um documento compilado pelo governo australiano afirma que “a infecção de macacos por varíola é rara, mas pode se assemelhar clinicamente à varíola”. ].

Tendo isso em mente, não esqueçamos que inventar um novo nome para a mesma condição é um truque clássico usado pela classe médica para mascarar a prevalência de uma determinada doença, que eles afirmam estar erradicada ou bastante reduzida. Prestidigitação semelhante foi usada com a poliomielite, onde as autoridades agora se referem aos casos da doença como “paralisia flácida aguda” ou “mielite flácida aguda”[50].

Fica claro, então, que apesar da afirmação de que a doença foi erradicada em 1980, casos que lembram a varíola ainda ocorrem com bastante frequência em todo o mundo. Significativo é que esses casos ocorrem predominantemente em áreas pobres, conhecidas por seus altos índices de desnutrição e condições de vida insalubres, dando credibilidade à teoria de que o meio ambiente desempenha um papel fundamental na etiologia da doença.

Em apoio adicional a essa conclusão, há vários casos documentados de pessoas que não conseguiram contrair a doença, apesar de estarem próximas de um indivíduo infectado. Há também casos em que indivíduos, ou grupos de pessoas, adoeceram com varíola, apesar de nenhuma fonte identificável de contágio. Alguns desses casos são descritos abaixo.

O primeiro caso é relatado pelo naturopata americano Henry Lindlahr em seu livro Philosophy of Natural Therapeutics:

“Há alguns anos, o Dr. Rodermund, um médico do estado de Wisconsin, causou sensação ao manchar seu corpo com o exsudato de feridas de varíola para demonstrar a seus colegas médicos que um corpo saudável não poderia ser infectado com a doença. Ele foi preso e colocado em quarentena na prisão, mas não antes de entrar em contacto com muitas pessoas. Nem um único caso de varíola se desenvolveu através desta “exposição”.”[51]

Um segundo caso é relatado por Lindlahr, desta vez sobre seu próprio filho que contraiu varíola:


“Minha esposa, sua irmã e eu, alternadamente, dormíamos no mesmo quarto com a criança sem o menor medo de infecção e, embora não tivéssemos sido vacinados desde a infância, permanecemos imunes à “doença contagiosa” […] época da doença do menino. Se a teoria do contágio for verdadeira, de quem ele contraiu a doença e por que uma das muitas pessoas que moram na mesma casa não foi infectada?”[52]

Abaixo está um terceiro caso “anômalo” relatado por Alexander Wilder, MD, em seu livro The Fallacy of Vaccination.

“Senhor. Wolfe, em seu tratado sobre “Doenças Zimóticas”, menciona um caso na Índia em que a varíola eclodiu em uma região a muitos quilômetros de distância de qualquer possível fonte de contágio. Ele a atribuiu à acção da matéria animal em decomposição e observa que o mesmo ar venenoso às vezes causa uma doença zimótica a um membro de uma família e outra a outro, de acordo com a constituição corporal.

Aqui está uma citação final deSmall-Pox and Vaccination por Alexander M. Ross, M.D.:

“Durante uma epidemia de varíola, os vacinados, assim como os não vacinados, são igualmente susceptíveis ao contágio se cercados por condições insalubres.”[54]

Os médicos naturopatas ofereceram uma explicação para essas aparentes “anomalias” sugerindo que a varíola, longe de ser uma doença causada por um germe maligno, representa um “processo eliminatório agudo” deliberadamente realizado pelo corpo para livrar o sistema de toxinas e outros matéria mórbida. Considerando as evidências apresentadas acima, esta explicação é mais do que plausível[55].

De facto, há mais uma linha de evidência que corrobora a interpretação naturopática da varíola e tem a ver com o conteúdo da vacina de Jenner.

Mas primeiro, vale a pena lembrar da “lógica” por detrás da vacina contra a varíola de Jenner: Jenner acreditou nas leiteiras de que um ataque de “varíola” forneceria imunidade à varíola. A “varíola” era a ulceração do úbere de uma vaca, que se acredita ser causada por um vírus relacionado à varíola. Assim, Jenner criou uma vacina que continha o vírus da varíola bovina. A administração desta vacina fez com que o organismo produzisse anticorpos que protegiam contra a varíola, prevenindo infecções futuras.

No entanto, aqui é onde a narrativa principal se desfaz completamente porque em 1939, um pesquisador da Universidade de Liverpool chamado Allan Watt Downie comparou o conteúdo de uma vacina contra a varíola a uma amostra de varíola isolada directamente de uma vaca infectada e descobriu que eles eram diferentes. Na verdade, as amostras eram tão diferentes que os cientistas tiveram que concluir que o “vírus” presente na vacina de Jenner não poderia ter vindo da varíola bovina. Isso levanta a pergunta inevitável feita pela repórter Katherine Wu em um artigo para a Smithsonian Magazine: “O que diabo eles estavam injectando nos braços de milhões de pessoas nos últimos 150 anos?” [56] Que diabo, de facto.

Em outras palavras, em 1939, os cientistas já tinhamdescoberto que a vacina de Jenner era uma farsa e não continha o que deveria conter, essencialmente refutando toda a sua teoria sobre varíola bovina, varíola e imunidade. No entanto, apesar dessa importante revelação, 80 anos depois, o conto de fadas convencional (porque é isso que é) não mudou e os estudantes de medicina ainda aprendem a história da “varíola”.

Pesquisas mais recentes sobre a misteriosa vacina de Jenner concluíram que ela continha uma forma de “varicela”, embora os pesquisadores admitam que não têm ideia de onde veio [57]. Enquanto isso, os pesquisadores do CDC chegaram a outra conclusão, afirmando que “um enxame de vírus foi usado em várias vacinas”.

Então, em outras palavras, não era varíola bovina que as pessoas estavam sendo inoculadas, era um enxame de diferentes “vírus” contidos em matéria doente retirada de uma variedade de animais doentes. A partir disso, podemos tirar apenas uma conclusão: a vacina de Jenner, longe de ser uma maravilha médica, era uma poção de bruxa de origem desconhecida que não poderia oferecer nenhum benefício terapêutico. De facto, a razão pela qual os EUA pararam de vacinar contra a varíola em 1972 não foi devido à “erradicação” da doença conforme declarado pelas autoridades, mas porque os riscos foram considerados superiores aos benefícios[59]. Os cientistas chegaram ao ponto de chamar a mistura de Jenner de “a vacina mais perigosa conhecida pelo homem”[60].(AINDA NÃO HAVIA AS mRNA)

Este artigo mostrou que, longe de ser um êxito médico, a vacina contra a varíola foi um experimento generalizado que foi contestado por cidadãos, médicos e estudiosos da época. A vacina não apenas causou muitos casos de ferimentos e morte, mas não havia evidências estatísticas que sugerissem que ela tivesse alguma utilidade como preventivo contra a varíola. E embora a diminuição dos casos de varíola tenha sido atribuída apenas à vacina, é claro que a melhoria das condições de vida e uma melhor nutrição foram os factores mais importantes envolvidos no alívio da doença. Parece pertinente encerrar esta investigação citando o naturopata americano, Henry Lindlahr:

“As erupções de varíola são um sinal de rápida eliminação de manchas de doenças hereditárias e adquiridas. Uma boa dose de varíola pode livrar o sistema de mais venenos escrofulosos, tuberculosos e sifilíticos do que poderia se livrar de uma vida inteira. Portanto, a varíola deve certamente ser preferida à vacinação. O primeiro significa a eliminação da doença crônica, o outro a criação dela.”[61]

Outros artigos complementares:

https://farroupim.com/carga-viral-pcr-falso-diagnostico-de-hiv/

https://farroupim.com/eu-avisei-a-cerca-das-vacinas/

https://farroupim.com/sars-os-primordios-da-lenda/

https://farroupim.com/como-a-teoria-dos-microbios-mortais-tomou-o-poder-na-medicina-e-na-sociedade/

https://farroupim.com/o-virus-do-sarampo-tambem-nao-existe/

https://farroupim.com/investigadores-do-coronavirus-admitem-que-nao-tem-provas-cientificas-da-sua-existencia/

https://farroupim.com/1011-estudos-cientificos-provam-o-genocidio-das-vacinas-covid/

https://farroupim.com/ciencia-ficcao/

https://farroupim.com/medicina-do-baphomet/

https://farroupim.com/51406-2/

https://farroupim.com/o-pcr-nao-e-valido/

https://farroupim.com/virus-fantasma-na-procura-do-sars-cov-2/

https://farroupim.com/os-testes-antigenio-sao-outra-fraude/

https://farroupim.com/razoes-pelas-quais-nao-sou-vacinado/


[1] Retief, F., Cilliers, L. 1998. The epidemic of Athens, 430-426 BC. https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/9539938/.
[2] Gross, C., Sepkowitz, K. 1998. The Myth of the Medical Breakthrough: Smallpox, Vaccination, and Jenner Reconsidered. https://www.ijidonline.com/article/S1201-9712(98)90096-0/pdf.
[3] Riedal, S. 2005. Edward Jenner and the history of smallpox and vaccination. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC1200696/.
[4] White, W. 1885. The Story of the Great Delusion. Chapter 4. http://whale.to/vaccines/white_b.html.
[5] Lindlahr, H. 1975. Philosophy of Natural Therapeutics. p.96.
[6] Browne, B (sir). Life of Edward Jenner (1749-1823). p.3.
[7] Lester, D., Parker, D. 2019. What Really Makes You Ill: Why Everything You Thought You Knew About Disease Is Wrong. p.47 [Kindle version].
[8] Dock, G. 1902. The Works of Edward Jenner and Their Value in the Modern Study of Smallpox. p.8.
[9] Ibid. p. 5.
[10] Ibid.
[11] Ibid. p. 8.
[12] Wilder, A. 1899. The Fallacy of Vaccination. p. 6.
[13] Dock, G. 1902. The Works of Edward Jenner and Their Value in the Modern Study of Smallpox. p. 9.
[14] Ibid. p. 11.
[15] Shelton, H. Natural Hygiene: Man’s Pristine Way of Life. p. 399. Accessed here: http://booksarsenal.weebly.com/uploads/1/8/7/2/18725370/9781406500196text.pdf.
[16] Dock, G. 1902. The Works of Edward Jenner and Their Value in the Modern Study of Smallpox. p. 19.
[17] Ibid. p. 27.
[18] Ibid. p. 33.
[19] Lindlahr, H. 1975. Philosophy of Natural Therapeutics. p. 98.
[20] Lord Horder. An Address on Eugenics and the Doctor. 1933. Accessed here: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC2369780/pdf/brmedj07364-0001.pdf.
[21] Dock, G. 1902. The Works of Edward Jenner and Their Value in the Modern Study of Smallpox. p. 34.
[22] Arnold, W. Et al. 1889. Notes on Vaccination (Dedicated to the Board of Guardians for the Union of West Bromwich). Included as part of a publication titled “Brief Extracts From High Authorities Exposing the Evils of Vaccination: The Great Medical Delusion of the Nineteenth Century, Now Exciting popular Indignation” from the US national library of medicine.
[23] Ibid.
[24] Wilder, A. 1899. The Fallacy of Vaccination. p. 10.
[25] Young, W. 1886. Killed by Vaccination. p. 4.
[26] Ibid. p. 5.
[27] Ibid p. 4.
[28] Ibid p. 8.
[29] Jones, J. 1867. Spurious Vaccination, or the Abnormal Phenomena Accompanying and following Vaccination in the Confederate Army During the Recent American Civil War, 1861—1865. p. 4.
[30] Wilder, A. 1899. The Fallacy of Vaccination. p. 7.
[31] Bernard S., G. 1944. Not Without Honour. Irish Times (Wednesday 9 August, 1944).
[32] Lester, D., Parker, D. 2019. What Really Makes You Ill: Why Everything You Thought You Knew About Disease Is Wrong. p. 49 [Kindle version].
[33] Huerkamp, C. 1985. The History of Smallpox Vaccination in Germany. https://sci-hub.hkvisa.net/10.2307/260400.
[34] Dawson, M. 1979. Smallpox in Kenya 1880-1920. https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/016079877990022X.
[35] Ibid.
[36] Kolb, F, G. 1877. Zur Impffrage: Unzulänglichketi der bisherigen Ermittelungen und Verlangen nach Aufhebung des Impfzwanges. https://play.google.com/store/books/details?id=YtKVUI5qOjoC.
[37] Huerkamp, C. 1985. The History of Smallpox Vaccination in Germany. https://sci-hub.hkvisa.net/10.2307/260400. Pp628.
[38] Ibid. p. 620.
[39] Ibid. p. 621.
[40] Lane, J. M., Goldstein, L. 2003. Evaluation of 21st-century risks of smallpox vaccination and policy options. https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/12639083/.
[41] Weiss, M. M., et al. 2004. Rethinking Smallpox. https://academic.oup.com/cid/article/39/11/1668/465225.
[42] CDC. Smallpox. https://www.cdc.gov/smallpox/index.html.
[43] Abrahao, S, J, et al. 2015. Outbreak of Severe Zoonotic Vaccinia Virus Infection, Southeastern Brazil. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4378504/.
[44] Gelderblom, H., Madeley, D. 2018. Rapid Viral Diagnosis of Orthopoxviruses by Electron Microscopy: Optional or a Must?. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC5923436/#B17-viruses-10-00142.
[45] Moussatche, N., Damaso, C., McFadden, G. 2008. When good vaccines go wild: Feral Orthopoxvirus in developing countries and beyond. https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/19738346/.
[46] CDC. Monkeypox. https://www.cdc.gov/poxvirus/monkeypox/index.html.
[47] Moussatche, N., Damaso, C., McFadden, G. 2008. When good vaccines go wild: Feral Orthopoxvirus in developing countries and beyond. https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/19738346/.
[48] Australian Government Department of Defense. 2012. Critical Factors for Parameterisation of Disease Diagnosis Modelling for Anthrax, Plague and Smallpox. https://ia802804.us.archive.org/17/items/DTIC_ADA575284/DTIC_ADA575284.pdf.
[49] WHO. 2019. Monkeypox Fact Sheet. https://www.who.int/news-room/fact-sheets/detail/monkeypox.
[50] CDC. 2001. Public Health Dispatch: Acute Flaccid Paralysis Associated with Circulating Vaccine-Derived Poliovirus — Philippines, 2001. https://www.cdc.gov/mmwr/preview/mmwrhtml/mm5040a3.htm.
[51] Lindlahr, H. 1975. Philosophy of Natural Therapeutics. p. 39.
[52] Ibid. p. 108.
[53] Wilder, A. 1899. The Fallacy of Vaccination. p. 17.
[54] Ross, A. Small-pox and Vaccination. Included as part of a publication titled “Brief Extracts From High Authorities Exposing the Evils of Vaccination: The Great Medical Delusion of the Nineteenth Century, Now Exciting popular Indignation” from the US national library of medicine.
[55] Lindlahr, H. 1975. Philosophy of Natural Therapeutics. p. 69.
[56] Wu, K. 2018. The Mysterious Origins of the Smallpox Vaccine. Smithsonian Magazine. https://www.smithsonianmag.com/science-nature/mysterious-origins-smallpox-vaccine-180970069/.
[57] Schrick, L., et al. 2017. An Early American Smallpox Vaccine Based on Horsepox. https://www.nejm.org/doi/full/10.1056/NEJMc1707600.
[58] Wu, K. 2018. The Mysterious Origins of the Smallpox Vaccine. Smithsonian Magazine. https://www.smithsonianmag.com/science-nature/mysterious-origins-smallpox-vaccine-180970069/.
[59] Lane, M., J., Goldstein, J. 2003. Evaluation of 21st-century risks of smallpox vaccination and policy options. https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/12639083/.
[60] Kohn, D. 2002. The Most Dangerous Vaccine. https://www.cbsnews.com/news/the-most-dangerous-vaccine/.
[61] Lindlahr, H. 1975. Philosophy of Natural Therapeutics. p. 108.


Farroupim Dom Fuas Roupinho

Acompanhe-nos no Telegram https://t.me/Farroupim_Blog

Nós não somos financiados pela fundação Bill e Melinda Gates ou Harriman, não recebemos nenhuma ajuda da Fundação Rockefeller, Ford, ou da família Oppenheimer, não somos patrocinados por nenhum grupo ou partido político, não conhecemos George Soros, não possuímos tempo ilimitado, temos de trabalhar e ganhar o nosso sustento, a informação tem custos, livros, dados, etc. Também não recebemos nenhuma subvenção do estado.

Por favor ajude.

Bitcoin: bc1qhft2res6nwl74kflm95htds2tg7dtw8mcmve70