O ano que passou começou com uma corrida ao papel higiénico e acabou em totalitarismo.
Pelo meio houve uma corrida a máscaras, ventiladores, oxigénio, alcoól em gel, entre outros artefactos covidescos. Com a agravante que ventilação foi a causa de morte de muitos pacientes, e o alcoól em gel está já a por as mãos em ferida, é sabido.

Agradeço a Deus a calma e ponderação, para em vários dias perceber que estávamos perante uma farsa e aconselhar devidamente uma grávida que não haveria nada a temer, como se veio a verificar, e que nenhuma das medidas tinha respaldo científico, e mesmo que houvesse um vírus perigoso, eu o desprezei, não me tirou o sono, e quando faço as necessidades fisiológicas, não uso papel higiénico, uso água e sabão.
Aconselhei uma mãe, a pensar, ter calma, nos piores momentos em que ela ligava a dizer que não aguentava mais “não aguento mais isto, não se vê viva alma na rua”, enquanto o rádio alimentava o horror e a tragédia.

Mesmo que houvesse uma pandemia, que raio de médicos e profissionais de saúde são estes que promovem o pânico? É ético alimentar o pânico?! De que vale salvar um paciente de um vírus se ele mais tarde tem tendências ao suicídio ou se quer drogar em medicamentos, ou até porque não tem dinheiro para se alimentar consequência das quarentenas? Aqueles argumentos dos defensores da eutanásia, muito bondosos, o slogan “é preciso acabar com o sofrimento” de repente desapareceram.
Então os idosos agora todos em pânico, isolados, sem contacto com a família que foi desaconselhada e até proibida, abandonados sem água, de repente, já podem morrer de saudade e agonia?

Porque os meios de comunicação não promovem uma discussão pública com contraditório? Quem não deve não teme. De repente, médicos/cientistas que outrora tinham ou eram tidos e achados na imprensa, deixaram de ter palco, simplesmente porque não pactuam com a propaganda.

Os velhinhos são hoje os cidadãos ideais dos deuses farmacêuticos corporativos. Vulneráveis à propaganda e abertos à sujestão, sempre dispostos a ir além das medidas irracionais dos tiranos, ele confia que o estado só lhe entregará uma vacina segura e eficaz.
No Peru o governo obriga o povo a usar duas máscaras, se isto não é um crime, não sei o que será, que sociedade é esta?

A propaganda das farmacêuticos não aconteceram acidentalmente com o elixir de controle, covid-19. Eles fizeram inúmeras corridas de treino. Pense em todas as quase-pandemias dos últimos vinte anos. Pense em como a propaganda das estatinas capturou e envenenou a população por uma geração. Era tudo propaganda e continua sem parar, há que alimentar estes algozes.

O socialmente inepto, mas politicamente apto, Bill Gates está tão encorajado pela rendição em massa da humanidade que ele, se arroga em vacinador, ao mesmo tempo que se projecta em um messias do clima.

Ele já faz proselitismo para que se beba excrementos filtrados e fervidos, na substituição de água, e coma merda processada na substituição de carne.

Ele também é conselheiro de natalidade, não tarda nada que virá pedir que não faça filhos, e não só isso, que os faça em laboratório, por encomenda, um produto que pode ser costumizado ao gosto do cliente, algumas cores e traços serão apenas para clientes que sentam o anús em Davos.

O esposo da Melinda acha que os humanos são muito mais programáveis e lucrativos do que a indústria do vale do silício.

Ele é o novo imperador global fascista cada vez que a OMS decreta uma suposta pandemia, a seu mando, já que ele paga 10% do orçamento.
O seu médico de família devia ser o primeiro a saber disto, a desconfiar antes de haviar receitas como um menino faz cópias na primária, contudo, os médicos deixaram de estudar e de se actualizar, além de que se deixam corromper.

Daí que a proposta do parlamento europeu para o certificado digital verde diga:

“suspensas logo que o Diretor-Geral da OMS declare, em conformidade com o
Regulamento Sanitário Internacional, o fim da emergência de saúde pública de âmbito
internacional provocada pelo SARS-CoV-2″


Ora, o director geral da OMS é um lacaio da China, parceiro de Bill Gates.
Estamos a assistir um empobrecimento acelarado do ocidente, enquanto a China cresceu 8%, os bilionários não perderam nada, GANHARAM. É este o arranjo em que apenas o povo perde e as elites ganham.

As parcerias de biossegurança público-privadas entrelaçadas da OMS (com seu tratado internacional vinculante em 190 países), uma GAVI patrocinada pelo WEF e a Fundação Gates (um grande financiador individual da OMS e a GAVI) tornaram-se efectivamente um não eleito, irresponsável e irresistível governo mundial.

A OMS elabora definições falsas de pandemia, falsos testes de PCR, falsos conceitos de imunidade de manada como um cartel criminoso.

A juntar, a classe médica acha que somos todos parvos, devia haver um teste influenza para cada teste covid, os sintomas são os mesmos. Não é preciso mais provas que os testes são uma farsa, já cansa. O influenza não desapareceu, é necessário começar a confrontar o seu médico, cada vez que ele lhe diz que tem covid. Covid tem a sua prima senhor doutor. E começar as perguntas…

Onde o vírus foi isolado? Quem? Pode mostrar provas por favor?
Porque o Drosten viu o seu paper retirado? Se não sabe, devia saber.
Se os testes são lixo, como pode ter a certeza que tenho covid?
Desde quando se testam pessoas saudáveis?
Que prática médica é essa, onde está documentado que pessoas sem sintomas são “infectados”?

Escrever covid como causa de morte, deve dar direito a retirar a licença a um médico, isto é um crime que não pode continuar impune, se os familiares exigirem autópsia e a causa for outra, esse médico não pode continuar a exercer, é um agente perigoso para a sociedade, por muitas pressões que tenha.
Um médico se não sabe, deve escrever que não sabe…não pode seguir lobbystas, regras criminosas, brincar com a morte, os sentimentos das famílias, e prejudicar a sociedade com falsas atribuições de causas de morte.

Outra questão, é , desde quando a propagação de uma gripe é um crime? Desde quando uma pessoa saudável e um potencial criminoso que precisa de fazer da sua ficha médica um bigbrother?
Um criminoso não é só aquele que pega na arma e mata alguém…também é aquele que sob um pretexto qualquer, cumpre ordens tem limites, inclusive policias e agentes do estado, nomeadamente agentes de saúde a fazer testes que são um lixo para criar pânico e estão a cometer atropelos aos direitos naturais dos povos.

Se todos tivessemos um familiar a morrer de algo similar à gripe, não seria necessário intimidar, persuadir, coagir, ameaçar, fazer propaganda e usar a polícia para nos espancar para obedecermos. Não estamos nem perto de um cenário de morte negra. Padrões de vida elevados, higiene e saneamento são a razão pela qual não estamos doentes. E não vacinas, há muita gente que nunca se vacinou para nada, o normal é viver sem medicamentos, e não o contrário. O “novo normal” tem algo de perverso, de anormal…

Fechar o mundo para o salvar não faz sentido, é um contrasenso, até porque nós não vivemos para ser vacinados e fazer terapias genéticas patrocinadas pela Fundação Gates. Não é esse o propósito do ser humano, o propósito do ser humano é adorar a Deus, a família, crescer e multiplicar-se.

E para terminar tenho aqui algo mais sumarento.

Jacques Attali em 1981, maçom do Grande Oriente Francês, acessor de ex-Presidente François Mitterand, socialista, laico, que era familiar de Jacques Mitterand Grão Mestre do Grande Oriente Francês, e que partilhavam a mesma visão, mas que raras vezes a tornavam pública.
As falácias económicas e sociais que J. L. Simon desmontou continuam vivas, estão constantemente a latejar na cabeças das elites, superpopulação, recursos finitos, clima, são falsos problemas que assolam o panteísmo, a teologia da libertação é anti-católica e de origem comunista, é bom lembrar que as elites não partilham das mesmas condutas ético-morais, a vida para eles tem apenas uma visão utilitarista, objectivista e colectivista, gnóstica, o indivíduo não precisa de Jesus Cristo para se salvar, precisa da luz luciferiana, “portador do conhecimento”, Deus é dispensado da equação. Egocentrismo, o homem no centro de tudo, em vez de Teocentrismo, Deus acima de tudo.

Um mundo de ECO e com EGO.

Jacques Attali, 1981

“No futuro, será uma questão de encontrar uma forma de reduzir a população. Começaremos com o velho, porque assim que ultrapassar os 60-65 anos, o homem vive mais do que produz e isso custa caro à sociedade. Depois os fracos e depois os inúteis que não trazem nada para a sociedade porque haverá cada vez mais deles, e principalmente os estúpidos. Eutanásia visando esses grupos; A eutanásia deverá ser um instrumento essencial de nossas futuras sociedades, em todos os casos. Não podemos, é claro, executar pessoas ou montar acampamentos. Vamos nos livrar disso fazendo-os acreditar que é para o seu próprio bem. Uma população muito grande, e na maioria das vezes desnecessária, é algo economicamente caro demais. Socialmente, também é muito melhor que a máquina humana pare abruptamente em vez de se deteriorar gradualmente. Não seremos capazes de passar nos testes de inteligência de milhões e milhões de pessoas, você pode imaginar!
Encontraremos algo ou o causaremos, uma pandemia que atinge certas pessoas, uma crise econômica real ou não, um vírus que afetará o velho ou o grande, não importa, o fraco sucumbirá a ele, o medroso e o estúpido vai acreditar e pedir para ser tratado. Teremos cuidado de ter planeado o tratamento, um tratamento que será a solução.
A selecção dos idiotas será então feita por si mesma: eles irão para o matadouro por conta própria. ”