O controle populacional da China dizimou a capacidade reprodução e agora dizem às mulheres solteiras que não façam abortos.

A China instituiu a política de filho único nos anos 80 com Kissinger a servir de cão de caça da família Rockefeller para controlar os seus negócios ligados ao controle da população, isso levou a vários abortos forçados, esterilizações, bem como severas penalidades financeiras e perda de empregos para pais que violassem a lei. A China agora está arrependida dos milhões de mortos que provocou.

Para quem não sabe o que é um aborto e se presta a ter opiniões sem estudar, vou começar por deixar uns vídeos para que possamos falar a mesma linguagem, para começarem a ter a noção do procedimento.


https://www.youtube.com/watch?v=F_sXqic4PCo


https://www.youtube.com/watch?v=0z9wDffi1cw


Depois de ter visto estes vídeos, quero lembrar que as pessoas que fazem estasmatanças são médicos, por favor não idolatre mais nenhuma vez um médico, eles são os maiores assassinos da humanidade por larga margem, eles foram a principal profissão associar-se ao partido nazi e os primeiros, são eles que dizem abertamente que “um bebé com 2 semanas é um amontoado de células, não é um ser vivo”, quando essa afirmação contraria toda a embreologia e a ciência.

A maioria da vezes as pinças arrancam a cabeça do bebé, é assim que acaba um aborto. Pense quando você teria esta idade e um médico lhe arrancaria a sua cabeça. Ainda sente vontade de promover estas matanças?

O Partido Comunista Chinês parece estar finalmente recuando em sua agenda asssina pró-aborto, o país enfrenta um declínio populacional potencialmente desastroso.

A Associação Chinesa de Planeamento Familiar acaba de anunciar planos para desencorajar mulheres solteiras a fazer abortos, em um esforço para aumentar a população.

Os comunistas são assim, pretendem regular o mundo com as suas fórmulas supostas mente científicas e superiores, o problema é a realidade.

A China é uma aberração social, a cosmovisão materialista, tem como conseguências as maiores atrocidades e um genocídio permanente.

A China obriga os seu povo a esterilizações e abortos forçados, inclusive tardios, bebés que sem encubadora viveriam sem qualquer problema são assassinados.

Isto levou a que as crianças “ilegais” que sobreviveram fossem escondidas pelas famílias ou banidas da sociedade. Uma espécie de crédito social para crianças.

Agora, o PCC parece estar tentando desfazer a desastrosa política genocida enquanto as empresas lutam contra a escassez de mão-de-obra, os homens não conseguem encontrar esposas devido a abortos por selecção de sexo e os casais sem filhos se perguntam quem cuidará deles na velhice.
Lembre-se que não foram as politicas colectivistas que de repente decidiram respeitar a vida humana, não, é por uma razão de escassez de mão-de-obra.

Na China existe a tradição dos filhos cuidarem dos país mais velhos, por aqui na Dinamarca vamos ouvindo casos de alguém que voltou para a China para cuidar dos pais, é uma obrigação moral que todos cumprem.

O PCC pretende agora incentivar mais a maternidade, parece fazer parte das novas directrizes emitidas pelo Conselho de Estado, um conjunto de oligarcas que acha possuir conhecimento todo o conhecimento necessário para planear uma sociedade, é de uma arrogância sem limites, e há quem acredite que existem pessoas capazes de tal proeza.

“Reconstruiremos a cultura de criar vários filhos em uma família… promoveremos a construção de uma nova cultura positiva de casamento e criação de filhos”, disse a Associação de Planejamento Familiar da China no mês passado. quando anunciou seu novo plano. Bravo…mas estes planos não deviam fazer parte de governo nenhum, eles não possuem nenhuma ordem divina para tamanha façanha, poder dizer a um dindivíduo quantos filhos pode ou deve ter.

Os dados oficiais sugerem que mais de 9,5 milhões de abortos foram realizados entre 2014 e 2019, um estudo mostrou que uma alta proporção deles foram em mulheres jovens, além de abortos repetidos.

Não faltam europeus e ocidentais capazes de acreditar nestas grandes ideias de planeamento familiar como lhe chamam estes ignorantes sem respeito pela vida humana, entre 2014 e 2019 mataram milhões de seres humanos e de repente, inverte-se a estratégia, quiça de repente voltam a mudar já em 2025, a urgẽncia que têm de mão de obra obriga a grandes planos e capacidade vertebral.

As novas directrizes relacionadas ao aborto chegam no momento em que a China enfrenta records de baixas taxas de natalidade, uma população envelhecida.

Novo limite de três filhos e revogação de penalizações para as famílias

Em agosto passado, o Congresso Nacional do Povo do Partido Comunista Chinês aprovou uma nova lei, permitindo às famílias ter até três filhos, bravo…suponho que casa haja um quarto seja triturado para fazer ração para cães e melhorar a eficiência, a economia chinesa.
Os líderes disseram esperar que a mudança encoraje as famílias a ter mais filhos, especialmente depois que a mudança do país para uma política de dois filhos em 2015 ter falhado.

E quem tiver só um filho? Fica à margem da sociedade, é-lhe cortado o acesso aos transportes, é penalizado com impostos??

Junto com o novo limite de três filhos, o governo também revogou sua “taxa de manutenção social”, uma penalidade por ter mais filhos do que a lei permite, e aprovou resoluções “encorajando os governos locais a oferecer licença parental, aumentando os direitos de trabalho das mulheres; e melhorar a infraestrutura de cuidados infantis”, de acordo com um relatório do PCC.

Entretanto os abortos forçados continuam entre minorias religiosas e culturais

Não está claro quantas mães foram forçadas a abortar seus bebés durante as décadas da política do filho único, mas a Igreja que tem acesso a dados destes por várias fontes aponta, que os abortos forçados não pararam na China.

O governo comunista está forçando as mulheres uigures a abortar seus bebés ainda não nascidos como parte de um genocídio maciço contra minorias religiosas e culturais. No ano passado, um relatório estimou que cerca de 2 milhões de uigures, um grupo minoritário muçulmano na China, foram “erradicados” pelo Partido Comunista Chinês nos últimos oito anos. Uma limpeza eficiente à moda comunista. Por aqui também há quem goste destes métodos.

Além das histórias que os defensores da vida vêm compartilhando há anos, um relatório recente da Associated Press expôs ainda mais abusos, incluindo a polícia invadindo as casas de famílias à procura de crianças ilegais, famílias se escondendo para proteger seus filhos, intimidação do governo e muito mais.

Suponho que a parceria de longa data entre os maiores oligarcas do mundo e china com a sua indústria farmacêutica terá os dias contados, será esta a razão da repentina zanga entre Soros e a china? Como negócio agora já não é a matança, é possível que as comadres se zanguem. Espero que o povo acorde desta bebedeira e resolva de vez os problemas e a impunidade que estas fundações gozam no ocidente. Porque no oriente vai negócios em queda, nomeadamente as clínicas de aborto, para quem não sabe, são em número maior que qualquer outro negócio a nivel planetário. E também a maior vegonha dos nossos tempos com -+ 50 milhões de assassinatos anuais.

Volto a repetir algo que aprendi de dezenas de livros sobre bioética, lá porque um procedimento é aprovado pela maioria, é realizado em ambiente asséptico, operado por um médico que supostamente devia salvar vidas, não quer dizer que esse acto seja moral e ético.